Eleição de Trump é um toque a despertar para o Mundo - Papandreou

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 09 nov (Lusa) - O antigo primeiro-ministro grego George Papandreou considerou hoje que a eleição de Donald Trump para presidente dos Estados Unidos é um "toque a despertar" para todo o mundo, porque as suas "políticas de isolamento" só agravam os problemas.

"Este é um toque a despertar para todos nós no Mundo porque a nossa sociedade tem grandes problemas, mudanças rápidas, grandes desigualdades - onde a riqueza está concentrada em 1 por cento [das pessoas], as mudanças tecnológicas e uma economia que está a marginalizar uma grande parte do mundo", afirmou à agência Lusa o ex-chefe de Governo grego.

Para Papandreou, que falava à margem da Web Summit que decorre em Lisboa, a sociedade moderna tem de resolver o problema da distribuição de poder e riqueza e lidar coletivamente com alterações climáticas, pandemias ou paraísos fiscais".

"Se não o fizermos vamos ver mais raiva e vamos ver mais do mesmo, quer seja no Brexit ou nos Estados Unidos", disse Papandreou.

O antigo chefe de Governo grego disse que "a mera ideia de que podemos resolver estes problemas isolando-nos, de que podemos construir muros à volta dos problemas não vai resolver as questões globais", numa referência a várias das propostas de Donald Trump em campanha.

"Precisamos de mais cooperação entre países. É claro que eu tenho grandes diferenças de opinião [com Donald Trump] não só de estilo, mas também nas políticas que ele anunciou na campanha. A questão é o que ele vai fazer na prática", contrapôs.

Primeiro-Ministro grego de 2009 a 2011, Papandreou salientou que os problemas recentes - nacionalismos e populismos - as democracias modernas não estão suficientemente profundas.

"O que temos é um sistema representativo em que entregamos imenso poder a uma pessoa durante quatro anos, quando deveríamos estar a dizer 'Como é que damos mais poder aos nossos cidadãos, para que estes façam parte das soluções'", realçou George Papandreou.

Se o sistema funcionasse com uma participação mais ativa dos cidadãos, "toda a gente não estaria tão preocupada sobre quem é o presidente".

Por outro lado, o Brexit e a eleição de Donald Trump apanha a Europa num momento delicado.

"Temos de democratizar a União, temos de pensar em eleger o presidente da Comissão - talvez não com os mesmos poderes, claro - mas temos chefes de comissão e do Conselho. Vamos elegê-los, vamos deixar as pessoas votar", propôs.

NVI // JPF

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Putin diz que Moscovo continuará a atacar infraestruturas de energia ucranianas

O Presidente russo, Vladimir Putin, afirmou esta quinta-feira que o seu país vai continuar a atacar infraestruturas de energia ucranianas, cujos ataques já obrigaram Kiev a enormes cortes de energia e água.

Céline Dion diagnosticada com doença neurológica rara e incurável

A cantora canadiana Céline Dion anunciou, esta quinta-feira, que foi recentemente diagnosticada com uma doença neurológica grave e incurável, que afeta cerca de uma pessoa em cada um milhão, síndrome de Moersch-Woltmann - também conhecida como síndrome de pessoa rígida (SPR).

Luis de La Fuente é o novo selecionador espanhol

Horas após a saída do ex-selecionador, Luis Enrique, a Real Federação Espanhola de Futebol (RFEF), anunciou através de um comunicado no site oficial que Luis de La Fuente é o novo treinador da seleção espanhola.