PCP alerta para política "reacionária" de Trump que também foi de Hillary

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 09 nov (Lusa) - Os dirigentes do PCP sublinharam hoje que a eleição de Donald Trump como 45.º presidente dos Estados Unidos da América (EUA) "poderá aprofundar ainda mais a política externa reacionária e agressiva", também defendida pela derrotada Hillary Clinton.

"A eleição de Donald Trump como presidente dos EUA poderá aprofundar ainda mais a política externa reacionária e agressiva dos EUA levada a cabo por sucessivas administrações norte-americanas e da qual a candidata derrotada foi destacada protagonista", lê-se em comunicado.

Os comunistas defendem "a importância da intensificação e alargamento da luta pela paz e contra as ingerências e agressões do imperialismo, nomeadamente do imperialismo norte-americano".

No texto, o PCP argumenta que "as eleições para a Presidência, assim como para o Senado e a Câmara de Representantes, realizadas nos EUA, expressaram profundos problemas, contradições e desigualdades que percorrem a sociedade daquele país, que são expressão do aprofundamento da crise estrutural do capitalismo que afeta particularmente a maior potência imperialista do mundo".

O sucessor de Barack Obama vai tomar posse a 20 de janeiro de 2017, numa cerimónia pública junto ao edifício do Capitólio, em Washington, após suplantar a adversária do Partido Democrático e secretária de Estado norte-americana.

"O lamentável espetáculo da campanha eleitoral expressou de forma muito clara a degradação do sistema político dos EUA, facto inseparável da crise social e da desilusão provocada em vastos setores populares pela presidência Obama que, tanto no plano interno como externo, defraudou as expectativas de mudança que falsamente foram alimentadas", vincam os comunistas.

HPG // ZO

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Secretário de Estado da Inovação recusou queijos de empresário que foi entretanto acusado de corrupção 

Gumercindo Lopes, um conhecido empresário na zona de Viseu, ofereceu queijos da Serra ao Secretário de Estado da Inovação, Investimento e Competitividade, que os recusou. Segundo noticiou o jornal Público, Pedro Gonçalves agradeceu a oferta, mas realçou que o empresário tinha em curso vários projetos que eram da competência do Ministério da Economia, razão pela qual não aceitou os queijos. 

PM diz que “é importante" ter o foco na execução do PRR para tornar economia mais sustentável

O primeiro-ministro, António Costa, sublinhou a importância de o país continuar focado na execução do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) para transformar e tornar mais sustentável a economia nacional.

TAP. António Costa e Medina devem pedir “desculpa” aos portugueses, diz Montenegro

O presidente do PSD, Luís Montenegro, considerou esta segunda-feira que o primeiro-ministro e o ministro das Finanças devem pedir “desculpa aos portugueses" por “terem injetado mais de três mil milhões de euros” na TAP.