PCP alerta para política "reacionária" de Trump que também foi de Hillary

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 09 nov (Lusa) - Os dirigentes do PCP sublinharam hoje que a eleição de Donald Trump como 45.º presidente dos Estados Unidos da América (EUA) "poderá aprofundar ainda mais a política externa reacionária e agressiva", também defendida pela derrotada Hillary Clinton.

"A eleição de Donald Trump como presidente dos EUA poderá aprofundar ainda mais a política externa reacionária e agressiva dos EUA levada a cabo por sucessivas administrações norte-americanas e da qual a candidata derrotada foi destacada protagonista", lê-se em comunicado.

Os comunistas defendem "a importância da intensificação e alargamento da luta pela paz e contra as ingerências e agressões do imperialismo, nomeadamente do imperialismo norte-americano".

No texto, o PCP argumenta que "as eleições para a Presidência, assim como para o Senado e a Câmara de Representantes, realizadas nos EUA, expressaram profundos problemas, contradições e desigualdades que percorrem a sociedade daquele país, que são expressão do aprofundamento da crise estrutural do capitalismo que afeta particularmente a maior potência imperialista do mundo".

O sucessor de Barack Obama vai tomar posse a 20 de janeiro de 2017, numa cerimónia pública junto ao edifício do Capitólio, em Washington, após suplantar a adversária do Partido Democrático e secretária de Estado norte-americana.

"O lamentável espetáculo da campanha eleitoral expressou de forma muito clara a degradação do sistema político dos EUA, facto inseparável da crise social e da desilusão provocada em vastos setores populares pela presidência Obama que, tanto no plano interno como externo, defraudou as expectativas de mudança que falsamente foram alimentadas", vincam os comunistas.

HPG // ZO

Lusa/Fim

+ notícias: Política

França disponível para "revisitar" interligações ibéricas de energia

O secretário de Estado português dos Assuntos Europeus, Tiago Antunes, obteve esta terça-feira da sua homóloga gaulesa disponibilidade para "revisitar" a questão das interligações ibéricas de energia, em encontro até ao final do ano com Portugal e Espanha.

Fim da propina para ensino de português no estrangeiro não passará no parlamento, afirma Paulo Pisco

Os pareceres do BE, PCP e PAN sobre a eliminação da propina para o ensino de português no estrangeiro foram esta terça-feira votados favoravelmente em comissão parlamentar, uma intenção que não passará no parlamento, segundo o deputado socialista Paulo Pisco.

MAI diz que novo plano de investimentos para forças de segurança é oportunidade para o país

O ministro da Administração Interna disse esta terça-feira que o novo plano de investimento em infraestruturas e equipamentos das forças de segurança até 2026 é “uma oportunidade” para o país e para a resolução dos problemas das polícias.