PR espera que Trump dê continuidade a "grande democracia" e à relação com Portugal

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 09 nov (Lusa) - O chefe de Estado português afirmou hoje esperar que o próximo Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, dê continuidade a "uma grande democracia" e à "magnífica amizade" com Portugal, com consideração pelo peso da comunidade lusodescendente.

"Foi isto que eu exprimi ao Presidente eleito na mensagem que lhe enviei cedinho esta manhã", declarou Marcelo Rebelo de Sousa aos jornalistas, à margem de uma cerimónia no antigo Museu dos Coches, em Lisboa.

Questionado sobre o conteúdo da campanha do candidato republicano, o Presidente da República não quis pronunciar-se. "Não vou comentar o que se passa na política interna de outro país", justificou.

"O que tenho a dizer é isto, são estas três dimensões: Espero que o Presidente eleito pelo voto livre dos norte-americanos dê continuidade a uma grande história e a uma grande democracia", afirmou.

Marcelo Rebelo de Sousa acrescentou que espera que Donald Trump "dê continuidade a uma aliança e a uma amizade muito antiga, que vem desde o tempo da independência, e que não só respeite como acolha, apoie e dê a devida importância a uma comunidade de origem portuguesa".

IEL // ZO

Lusa/fim

+ notícias: Política

Marcelo lamenta morte de mulher em inundação e aponta falta de “obras estruturais” em Lisboa

O Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa lamentou na madrugada desta quinta-feira a morte de uma mulher devido às inundações na região de Lisboa, destacando a necessidade de serem realizadas "obras estruturais" para o escoamento de águas.

Eutanásia: Presidente do parlamento não admite projeto de resolução do PSD para referendo

O presidente da Assembleia da República decidiu esta quarta-feira não admitir a iniciativa do PSD de um referendo sobre a despenalização da eutanásia por "não existirem alterações de circunstâncias" em relação à iniciativa anterior já apresentada sobre a mesma matéria.

Governo aprova regras para uso das 'bodycams' por parte dos polícias

O Governo aprovou esta quarta-feira as regras que definem as situações em que os elementos da PSP e GNR podem usar câmaras portáteis nos uniformes, as chamadas 'bodycams’, instrumento que permite proteger simultaneamente os polícias e os cidadãos.