Governo cubano convoca exercício militar de três dias, após vitória de Trump

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Havana, 09 nov (Lusa) - O Governo cubano anunciou hoje a realização de um exercício estratégico por todo o país, entre 16 e 18 de novembro, para preparar "as tropas e a população para enfrentar as diferentes ações do inimigo".

O Governo, que ainda não reagiu à vitória de Trump, decidiu avançar com um exercício de treino militar, de nome "Bastión 2016", que vai durar três dias, noticiou a agência Efe.

O anúncio foi hoje o grande destaque do jornal oficial do Partido Comunista de Cuba (PCC) Granma, que explica que a estratégia é "parte da preparação do país para a defesa".

O exercício "tem como objetivo treinar os órgãos de direção e comando das diferentes estruturas responsáveis pela defesa nacional e territorial, a organização do trabalho para preparar o país para a defesa e a preparação das tropas e da população para enfrentar as diferentes ações do inimigo", refere o texto do Granma.

De acordo com o jornal oficial do PCC, durante o exercício e também nos dias nacionais da defesa, (19 e 20 de novembro), serão realizadas "manobras e exercícios táticos de diferentes tipos, com a participação de unidades das Forças Armadas Revolucionárias, do Ministério do Interior e outros componentes do sistema defensivo territorial".

As manobras vão incluir "o movimento de tropas e de material de guerra, voos de aviação e explosões, nos casos que se requeira", refere.

De acordo com a Efe, Cuba não convocava um treino militar deste tipo desde o exercício "Bastión 2013", que ocorreu um ano antes do início da retoma das relações entre Havana e a Washington.

Os exercícios de preparação bélica destas características realizaram-se pela primeira vez em 1980 e repetiram-se em 1983, 1986, 2004 e 2009, para além de 2013.

Em várias ocasiões, estas manobras do Governo cubano foram organizadas como uma espécie de mensagem para os Estados Unidos para que "não subestimassem" o povo de Cuba, segundo disse em 2004 o então ministro das Forças Armadas e hoje presidente daquele arquipélago no mar do Caribe, Raúl Castro.

O candidato republicano à Presidência dos Estados Unidos, o polémico multimilionário Donald Trump, venceu as eleições, derrotando, contra o que previam as sondagens, a adversária democrata, Hillary Clinton.

Às 07:32 (hora de Lisboa), Trump obteve 276 votos no colégio eleitoral, mais que os 270 necessários (de um total de 538) para ganhar as presidenciais dos Estados Unidos, contra 218 conquistados por Hillary Clinton, ex-primeira-dama e ex-secretária de Estado do primeiro Governo de Barack Obama.

JYGA (ANC) // PJA

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Autoridades pró-russas anunciam vitória do “sim” à anexação em Zaporijia

As autoridades pró-Moscovo anunciaram, esta terça-feira, que os cidadãos da região ucraniana de Zaporijia, uma das quatro ocupadas pela Rússia, aprovaram a anexação à Federação Russa no referendo organizado pelo Kremlin e que decorreu nos últimos quatro dias.

Protestos no Irão continuam na 12ª noite consecutiva

Esta terça-feira os iranianos voltaram a sair às ruas em protesto contra a morte da jovem Mahsa Amini. O governo iraniano tem marcado uma posição firme contra os manifestantes mesmo com os vários apelos internacionais para terminar com o usa da força.

Ucrânia: Autoridades russas anunciam vitória ampla do "sim" em todos os referendos

As autoridades pró-Rússia nas regiões ucranianas de Zaporijia, Kherson e Lugansk reivindicaram esta terça-feira uma vitória do "sim" à anexação pela Rússia, estando ainda a aguardar-se pelos resultados da quarta região ucraniana ocupada pela Federação Russa.