Cristas diz que é preciso aguardar ação de Trump e aponta falha das sondagens

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 09 nov (Lusa) - A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, defendeu hoje que é preciso aguardar a ação do novo Presidente, considerando que Portugal e os Estados Unidos continuarão a relacionar-se e sublinhando a necessidade de uma reflexão sobre as sondagens.

"O que muda teremos oportunidade de ver na ação do novo Presidente. Penso que hoje é o dia de respeitar a decisão que foi tomada pelo povo americano, em liberdade e em democracia, e saudar os resultados. Em democracia, os resultados têm sempre de ser respeitados", afirmou Assunção Cristas aos jornalistas.

Antes de uma reunião com a CGTP-IN, na sede da central sindical, em Lisboa, a líder centrista afirmou que "Portugal e os Estados Unidos certamente continuarão a relacionar-se enquanto estados autónomos e independentes e democracias maduras, que têm áreas e convergências de interesse, como todos as questões que têm a ver com o Atlântico".

"Há um aspeto que é importante realçar, que nos levou a todos a alguma surpresa, que é o aspeto das sondagens. Nós vimos estas semanas todas, múltiplas sondagens dizer que Hillary Clinton ia vencer, não foi o que aconteceu. Em matéria do 'Brexit', na véspera, apesar de mais renhidas, apontavam também para um resultado que não se verificou", sustentou.

"No CDS já estamos habituados a dar pouca importância às sondagens, mas a verdade é que elas influenciam o voto das pessoas", declarou.

ACL // SMA

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Aprovada comissão de inquérito à TAP 

A proposta do BE para constituir uma comissão de inquérito à tutela política da gestão da TAP foi esta sexta-feira aprovada no parlamento, contando com a abstenção do PS e PCP e os votos a favor dos restantes.

PCP agendou para 15 de fevereiro debate no parlamento sobre habitação

O PCP agendou para 15 de fevereiro, com caráter obrigatório, um debate parlamentar sobre habitação, alertando que a subida das taxas de juro está a criar um "cenário de grande dificuldade" para muitas famílias.

Governo garante criar carreira especial de técnico auxiliar de saúde este ano

A secretária de Estado da Administração Pública, Inês Ramires, apresentou esta quinta-feira às estruturas sindicais as prioridades para as carreiras não revistas e assegurou que a carreira especial de técnico de auxiliar de saúde será criada este ano.