O Porto à Lupa do New York Times: “o hub criativo de Portugal”

O Porto à Lupa do New York Times: “o hub criativo de Portugal”
| Porto
Porto Canal

O Porto é hoje um polo de inovação, criatividade e com uma fluorescente oferta turística que ocupa um lugar de relevo no cenário nacional e internacional. O encanto da Invicta não passa despercebido e está, uma vez mais, em destaque no prestigiado ‘The New York Times'. O célebre jornal norte-americano elogia a oferta cultural, comercial e de lazer da cidade, traçando um roteiro por diversos pontos da Invicta com recomendações gastronómicas, hoteleiras, entre muitas outras, percorrendo “as marisqueiras da velha guarda até aos estúdios de cerâmica”.

Escrito pela freelancer Sara Clemence e ilutrado por Richard Pedaline, a publicação, intitulada “O que ver, comer e comprar no Porto, o hub criativo de Portugal”, destaca que “em pouco tempo, a segunda maior cidade de Portugal passou de uma cidade tranquila e industrial para um agitado centro criativo. Está repleto de lojas tradicionais e restaurantes sofisticados”, frisa a repórter.

Através de entrevistas a quatro especialistas (Signe Bindslev Henriksen, cofundadora do estúdio de design dinamarquês Space Copenhagen, que concebeu os interiores do novo hotel Largo do Porto, Armando Cabral, designer de calçado, Lígia Guedes, ceramista e fundadora da Fam Ceramics e chef Nuno Mendes, dono do restante e bar Cozinha das Flores e Flôr) é traçado um olhar sobre a cidade, por quem conhece cada canto e recanto da metrópole do Norte de Portugal.

Com um passado histórico rico, o texto vinca que “a povoação às margens do rio Douro, perto do Oceano Atlântico, tornou-se um importante porto para os romanos, que a apelidaram de Portus Cale. Os séculos trouxeram outros conquistadores, incluindo os visigodos, os espanhóis, os mouros e os franceses”, fazendo do Porto uma metrópole agregadora de uma vasta gama de estilos arquitetónicos.

 
 
 
Ver esta publicação no Instagram
 
 
 

Uma publicação partilhada por Porto Canal (@porto.canal)

“O centro histórico da cidade é um conjunto de edifícios medievais, barrocos, góticos e neoclássicos, muitos deles com uma linha de granito local que continua até aos dias de hoje”, destaca a repórter, lançando um olhar sobre o “coração industrial” que rodeia a cidade do Porto.

“O Porto está no coração industrial do país; sapatos, chapéus, têxteis, cortiça, mobiliário e cerâmica são todos fabricados na zona envolvente”.

No texto é também destacado o papel do Museu de Arte Contemporânea de Serralves, inaugurado em 1999, enquanto “referência no panorama da arte contemporânea”.

Posteriormente, com recurso às declarações e recomendações dos “insiders”, os especialistas de diversas áreas, entrevistados no decurso da reportagem, é feita uma lista de destinos imperdíveis na cidade, no que concerne ao alojamento.

Neste campo, é realçado o Le Monumental Palace, em pleno coração portuense, o 'M.Ou.Co.' , no bairro de Campanhã, “um hotel cheio de atividades culturais. Possui um acervo de discos e livros e ainda um espaço para espetáculos”.

Na panóplia de escolhas, não falta o Rosa Et Al Townhouse, na Rua do Rosário, no bairro Bombarda, “uma pousada com um toque gastronómico. Serve brunch e chá e acolhe oficinas de culinária”.

O artigo faz ainda menção a um conjunto de restaurantes imperdíveis, numa mescla de vários tipos de cozinha, desde o Yakuza, Dona Maria, a emblemática Casa de Chá da Boa Nova, “um local lindo sobre as rochas onde se sente todo o Oceano Atlântico e o impacto que tem na cidade”. O Rápido, Rogério do Redondo e Zé Bota, Cervejaria Gazela, Conga são outros dos históricos estabelecimentos evidenciados, a par de o Gharb, inspirado na herança muçulmana de Portugal, e os matosinhenses Os Lusíadas e O Gaveto.

É feita uma fina análise da Rua do Almada que congrega, presentemente, alguns bares e restaurantes e várias lojas de comércio tradicional e de comércio alternativo, localizadas em imóveis antigos, agora recuperados. Acompanha a zona da Baixa, cruzando diversos pontos de interesse, tendo sido a primeira via a ser construída fora da Muralha Fernandina, que cercava a Invicta, em 1761.

“A Rua do Almada, repleta de lojas especializadas, é uma boa rua para explorar. Gosto muito de ir à Casa Januário, onde vendem formas de bolo estilo vintage, formas de pastelaria e pastelaria portuguesa”, pode ler-se na publicação, que traça também uma lista de alguns locais míticos da região como o Jardim do Morro, em Vila Nova de Gaia, a zona do Bonfim “que tem uma arquitetura deslumbrante e excelentes lojas de antiguidades” ou ainda a encantadora Piscina das Marés.

Assim, o Porto combina a grandeza da sua História com o ar moderno e sofisticado, fazendo as delícias de milhares de turistas que, anualmente, contactam com o encanto da Invicta.

Recorde-se que, ainda em novembro de 2022, o Porto foi considerado o Melhor Destino de Cidade do Mundo 2022 na cerimónia dos World Travel Awards, em Mascate, Omã.

+ notícias: Porto

O antigo quarteirão da Casa Forte mudou com o Porto

O antigo quarteirão da Casa Forte, no coração do Porto, ganhou o nome da loja da esquina voltada ao Mercado do Bolhão. A emblemática empresa da cidade viria a encerrar em 2004, paradoxalmente o ano da criação da Porto Vivo, Sociedade de Reabilitação Urbana, que lançou as bases da nova vida do quarteirão. Entre projetos, demolições e mudança de promotores imobiliários, só ao fim de quase 20 anos é que o espaço da cidade vai voltar a receber moradores. Numa viagem pela história, que resposta dá à cidade o novo Quarteirão da extinta Casa Forte?

“A ‘cidade-negócio’ vai-se descaracterizando completamente perdendo interesse até para turistas”

A histórica Mercearia do Bolhão, aberta no Porto desde 1880, vai encerrar portas a 30 de abril para dar lugar a uma loja da multinacional Ale-Hop, como avançou o Porto Canal na manhã desta sexta-feira. À esquerda, os vereadores da oposição da Câmara do Porto lamentam que a cidade se vá ‘descaracterizando’.

Neonia: o novo museu interativo e néon que ilumina a história do Porto

Sabia que em 1917, dois acrobatas subiram à Torre dos Clérigos sem qualquer equipamento de proteção para promover uma marca de bolachas? Apesar de já ter passado mais de um século, este é um entre os tantos acontecimentos lembrados no novo museu que abriu portas este sábado no coração do Porto. “O Neonia é uma pura homenagem à cidade”, sublinha um dos responsáveis.