Mural da Restauração no Porto. Já são conhecidos os artistas selecionados para a nova intervenção

Mural da Restauração no Porto. Já são conhecidos os artistas selecionados para a nova intervenção
| Porto
Porto Canal

Na edição deste ano, foram apresentadas 62 propostas de 59 artistas distintos, de diferentes nacionalidades, mas residentes em Portugal. Dos trabalhos apresentados, o júri, composto pelos artistas Hazul, Mariana Velhote e Dário Cannatà, selecionou os trabalhos de Marcelo Clap, Leonor Cunha e Matilde Cunha, Miguel Cabo, Nuno Sarmento, Francisco Dias, Água de Bica e Grau.

O Programa de Arte Urbana lançou, no início de outubro, uma nova convocatória para intervenções artísticas na Rua da Restauração, um mural coletivo com 70 metros de extensão. Os trabalhos escolhidos serão executados até 29 de novembro.

Os trabalhos escolhidos obedeceram, como habitualmente, à regra de utilização de uma paleta comum, de forma a criar uma homogeneidade visual no mural. Nesta edição, a cor escolhida foi o azul, tendo sido usadas várias tonalidades que ganharão vida nesta estrutura de grande escala.

A Ágora atribuirá 750 euros a cada intervenção para ajuda de custos à produção.

Dinamizado desde 2014 pela empresa municipal Ágora, o Programa de Arte Urbana do Porto contribui para a divulgação e sensibilização da produção criativa da arte urbana, incentivando a sua prática num enquadramento institucional autorizado.

+ notícias: Porto

O antigo quarteirão da Casa Forte mudou com o Porto

O antigo quarteirão da Casa Forte, no coração do Porto, ganhou o nome da loja da esquina voltada ao Mercado do Bolhão. A emblemática empresa da cidade viria a encerrar em 2004, paradoxalmente o ano da criação da Porto Vivo, Sociedade de Reabilitação Urbana, que lançou as bases da nova vida do quarteirão. Entre projetos, demolições e mudança de promotores imobiliários, só ao fim de quase 20 anos é que o espaço da cidade vai voltar a receber moradores. Numa viagem pela história, que resposta dá à cidade o novo Quarteirão da extinta Casa Forte?

“A ‘cidade-negócio’ vai-se descaracterizando completamente perdendo interesse até para turistas”

A histórica Mercearia do Bolhão, aberta no Porto desde 1880, vai encerrar portas a 30 de abril para dar lugar a uma loja da multinacional Ale-Hop, como avançou o Porto Canal na manhã desta sexta-feira. À esquerda, os vereadores da oposição da Câmara do Porto lamentam que a cidade se vá ‘descaracterizando’.

Fecha a Mercearia do Bolhão. Vai o Porto tornar-se numa “cidade como outra qualquer”?

A histórica Mercearia do Bolhão, aberta no Porto desde 1880, vai encerrar portas a 30 de abril para dar lugar a uma loja da multinacional Ale-Hop, como avançou o Porto Canal na manhã desta sexta-feira. José Rio Fernandes, geógrafo e professor da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, considera que Portugal deveria ser “menos liberal em relação ao comércio” e que os municípios deveriam ter mais poder no que diz respeito à ordenação do seu território.