Lojas do exterior do Bolhão reabrem a conta gotas

| Porto
Porto Canal

Mais de um mês depois da reabertura do Mercado do Bolhão, as lojas do exterior continuam de portas fechadas. Dos 38 espaços existentes, apenas sete estão abertos ao público. Os lojistas queixam-se da burocracia complexa e do processo demorado.

A maior parte das lojas continuam despidas, com as paredes cruas que a demolição trouxe a descoberto. Nas montras leem-se os alvarás, muitos já caducados. Das 38 lojas do exterior do Mercado do Bolhão, 14 aguardam ainda pelo processo de licenciamento. “Gostava de começar as obras antes do final do ano, vamos ver. Isto é moroso por causa do edifício ser classificado, obedece a muitos trâmites. Submetemos o projeto que foi aprovado recentemente mas ainda precisamos das especialidades e pedir o alvará para começar a obra”, explica Luís Cruz proprietário da ‘Sapataria Principal’.

A expectativa, o desejável pelos lojistas, era que o Bolhão tivesse aberto por dentro e por fora. Com todos os comerciantes a trabalhar, mas o processo não o permitiu. Ao contrário do que aconteceu com os lojistas do interior do Bolhão, no exterior as obras de requalificação são da responsabilidade dos proprietários do espaço. “Tinha sido mais bonito para todos terem reaberto tudo mas não foi possível. Houve uns atrasos grandes na obra e a coisa complicou. Só há 15 dias é que conseguimos ligar a eletricidade e só a partir daí é que começamos as obras”, refere Jacinto Mendonça, sócio-gerente da ‘Relojoaria Mendonça’. O proprietário da loja de relógios quer que o Natal seja o pretexto para a reabertura do espaço. Com o encerramento do Mercado do Bolhão, a ‘Relojoaria Mendonça’ encontrou alternativa no número 409 da Rua de Sá da Bandeira. Agora, o objetivo é manter os dois espaços abertos, a loja do exterior do mercado e a que fica do outro lado da rua.

Ainda que alguns proprietários tenham optado por outras soluções, durante o encerramento temporário do Mercado do Bolhão, a maior parte dos comerciantes do exterior transitaram para o Mercado Temporário. “No Mercado Temporário não havia grande negócio para os lojistas do exterior. O facto de estar encerrado há um mês e meio acaba por ser igual” diz Luís Cruz. Assim como a ‘Sapataria Principal’, 23 lojas do exterior do Mercado do Bolhão continuam encerradas.

Contactada pelo Porto Canal, a Go Porto, empresa gestora do Mercado do Bolhão, refere que “os projetos e obras no interior das lojas são da responsabilidade dos inquilinos e são de natureza morosa, desde logo pela necessidade de licenciamentos, uma vez que se trata de um edifício classificado”. Já sobre o acompanhamento das obras por parte da Câmara Municipal, a Go Porto esclarece que “no que ao município diz respeito, tudo foi feito para procurar a maior celeridade e agilidade nos processos onde poderia ter intervenção”.


Das 38 lojas existentes, sete estão abertas, 10 encontram-se em remodelação e 14 em processo de licenciamento. Seis lojas não estão ainda atribuídas e serão, em breve, alvo de concurso.

+ notícias: Porto

Antigo Matadouro de Campanhã já tem 700 postos de trabalho confirmados

A Mota-Engil é a primeira empresa a anunciar que irá ocupar escritórios no antigo Matadouro de Campanhã. A construtora portuense terá no futuro centro empresarial e cultural cerca de 700 trabalhadores, avançou ao Porto Canal, a presidente da Emerge.

O nome de Gisberta já está cravado nas ruas do Porto

Já foi colocada a placa toponímica na “Rua Gisberta Salce Júnior” na freguesia do Bonfim, no Porto. A decisão da atribuição foi aprovada no final de janeiro pelo executivo da Câmara do Porto.

Descentralização permite maior envolvimento da Câmara do Porto em processos sociais

A Câmara Municipal do Porto acompanhou mais de 7.200 processos sociais desde a transferência de competências na ação social, área em que gastou cerca de 2,1 milhões de euros desde abril de 2023, foi esta sexta-feira revelado.