Vizinhos do Eskada relatam dez anos de “terror e violência”

Vizinhos do Eskada relatam dez anos de “terror e violência”
| Porto
Porto Canal

“Se soubesse o que sei hoje - que na realidade já sei há alguns anos - nunca teria comprado casa aqui”. O desabafo é partilhado com o Porto Canal por um dos moradores da Rua da Alegria, alguém que tem na discoteca Eskada o vizinho indesejado que atormenta qualquer proprietário.

 
 
 
Ver esta publicação no Instagram
 
 
 

Uma publicação partilhada por Porto Canal (@porto.canal)

A afirmação, proferida de forma crua e dura, não permite esconder o cansaço e rancor de anos acumulados de noites mal dormidas. Às chamadas para a polícia a altas horas da madrugada, aliadas à relatada inação das forças de segurança, juntam-se relatos de violência, gritos, lixo e sentimento de insegurança que leva ao medo de abandonar a própria casa.

“Dizem que o Brasil é perigoso. Já fui para o Rio de Janeiro de férias e senti-me mais seguro lá do que aqui. Não sinto que possa sair de casa em segurança depois da meia-noite e deixar o carro na rua é impensável”, conta um dos ‘vizinhos’ do Eskada que, tal como outros com quem o Porto Canal falou, pede para manter o anonimato face ao medo de represálias.

“De manhã encontramos ali no jardim (Largo de José Moreira da Silva) lixo, urina, vómito… há de tudo o que possam imaginar”, relata-nos um morador da rua da Alegria, reformado, e que ali reside há tantos anos que não é capaz de precisar.

Face à notícia do encerramento da discoteca, que havia já sido comentada com outros vizinhos durante as primeiras horas da manhã, a esperança não deixa de transparecer, ainda que por breves instantes. “Parece que agora houve finalmente coragem para fazer alguma coisa mas não vou celebrar já. Vamos esperar. Quanto mais não seja pelo menos durante os próximos dias vamos poder dormir descansados”, confessa.

Outro morador fala-nos de uma “discoteca com as características de espaço de diversão noturna de uma zona industrial a funcionar no centro da cidade do Porto”, frisando que “isto já dura há demasiados anos!”

“Isto já foi um bar de strip e eu sinceramente preferia esse tipo de estabelecimento. Os clientes sempre eram mais recatados… e discretos”, conta-nos o mesmo morador, entre risos. “As nossas queixas são antigas mas nota-se que nos últimos anos o perfil das pessoas que aqui vemos na rua mudou. São mais novos, alguns parecem não ter mais de 14/15 anos. Estão constantemente a pegar-se por causa de raparigas”.

‘Movida’ do Porto: a última esperança

O anúncio por parte da Câmara Municipal do Porto da revisão do regulamento da ‘Movida’, em finais de 2022, deu algum ânimo aos vizinhos do Eskada, tendo em conta a possibilidade de a Rua da Alegria ser incluída nesta zona delimitada da cidade, obedecendo dessa forma a regras e medidas de controlo mais apertadas. O partido socialista abraçou esta iniciativa dos moradores mas o executivo liderado por Rui Moreira acabaria por inviabilizar esta proposta.

“Em 2016 ou 2017 os moradores da zona juntaram-se e fizeram um abaixo-assinado que de nada serviu. Mais recentemente houve uma proposta para a Rua da Alegria ser inserida na zona da Movida do Porto, precisamente por causa do Eskada, e a Câmara não quis. É um absurdo, eles têm ali uma zona de jardim totalmente aberto e o barulho que vem só daí faz com que seja impossível que alguém consiga dormir”, realça um dos moradores.

Moreira e Carneiro de acordo com o encerramento da discoteca

Fonte ligada ao processo confirmou ao Porto Canal que José Luís Carneiro ligou a Rui Moreira durante a tarde do passado domingo para falarem do futuro da discoteca portuense. Esta chamada terá sido precipitada pelo escalar de casos e queixas verificadas ao longo das últimas semanas, participações recolhidas pela PSP e autarquia.

Situada no número 611 da Rua da Alegria, a discoteca Eskada Porto tem sido alvo frequente de queixas devido ao barulho, perturbação da ordem pública e vandalismo. A proposta de encerramento assinada pelo ministério tutelado por José Luís Carneiro destaca também “agressões envolvendo funcionários ou seguranças privados da discoteca e episódios entre clientes – com vários deles a receber assistência hospitalar”.

Porto Canal

Fonte ligada ao processo confirmou ao Porto Canal que Rui Moreira está de acordo com a decisão de encerrar a discoteca (foto: Lusa)

 

“Dado o perigo de perturbação para a ordem, segurança e tranquilidade públicas, que decorre do alarme social gerado pela repetição constante dos factos relatados pela PSP, a reabertura do Eskada Porto fica sujeita à adoção das medidas que a Polícia considere necessárias para a reposição das condições de segurança e do normal funcionamento da discoteca”, avançou ao Porto Canal o Ministério da Administração Interna.

+ notícias: Porto

Porto vai ter mais ruas com acesso condicionado a automóveis

O executivo municipal aprovou por maioria, na reunião desta segunda-feira, a aquisição de serviços para a manutenção do sistema de gestão das Zonas de Acesso Automóvel Condicionado (ZAAC) existentes. Mas vão ser criadas novas zonas.

Metrobus. Acesso da Avenida da Boavista à Rua António José da Costa vai estar interdito

Com a construção da primeira fase do traçado do metrobus, o acesso da Avenida da Boavista à Rua António José da Costa estará interdito a partir de terça-feira e até 12 de abril. Desta forma, os automobilistas que tencionem dirigir-se a esta artéria terão de seguir pelas ruas António Cardoso e António Patrício.

"Novo governo vai ter de assumir" futuro da Ponte Maria Pia, defende Eduardo Vítor Rodrigues

O presidente da Câmara de Vila Nova de Gaia alertou esta segunda-feira para a necessidade de o próximo governo acertar o futuro da antiga ponte ferroviária Maria Pia, cuja intervenção foi estimada em 15 milhões de euros.