Miguel Alves deixa a Câmara de Caminha e segue para o Governo

Miguel Alves deixa a Câmara de Caminha e segue para o Governo
| País
Porto Canal

Miguel Alves, presidente da Câmara Municipal de Caminha e da Federação Socialista de Viana do Castelo, é o novo secretário de Estado adjunto do primeiro-ministro. A autarquia passa assim para as mãos de Rui Lages, até agora vice-presidente do município. 

António Costa dá assim um passo atrás e reconhece que precisa de um braço direito na coordenação política. O cargo de secretário de Estado Adjunto do primeiro-ministro pertenceu, no passado, a Mariana Vieira da Silva e a Tiago Antunes.

A nomeação de Miguel Alves foi confirmada, esta quinta-feira, através de uma nota no site da Presidência da República. O texto adianta que Marcelo Rebelo de Sousa "aceitou a proposta do primeiro-ministro de noemação de três novos secretários de Estado". 

A tomada de posse dos novos membros do Governo realiza-se esta sexta-feira, pelas 19h30, no Palácio de Belém.

Miguel Alves, natural de Lisboa e licenciado pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, é um dos dirigentes socialistas mais próximos do executivo. É presidente da Câmara Municipal de Caminha desde 2013. Este era, por isso, o seu terceiro e último mandato.

A relação de proximidade com António Costa não vem de agora. Miguel Alves foi, entre 2007 e 2009, adjunto da Câmara Municipal de Lisboa, liderada na altura pelo agora primeiro-ministro. Foi também, entre 2006 e 2007, adjunto de Costa quando este era ministro de Estado e da Administração Interna. 

Além de autarca da Câmara Municipal de Caminha, Miguel Alves é atualmente presidente do Conselho Regional do Norte e presidente da Comissão Distrital da Proteção Civil de Viana do Castelo. 

+ notícias: País

Já são conhecidas as medidas de coação no caso de tráfico humano no Alentejo

O juiz Carlos Alexandre determinou que 23 dos arguidos, todos eles estrangeiros, ficam em prisão preventiva, outros oito que também ficaram com essa medida têm a possibilidade de passar a ter pulseira eletrónica em prisão domiciliária. Quatro portugueses saem em liberdade, mas ficam proibidos de contactos e com apresentações periódicas às autoridades.

Horários alargados em 176 centros de saúde a nível nacional

Quase duas centenas de centros de saúde estão já a funcionar em todo o país com horário alargado, disponível para consulta no portal do SNS, uma medida que visa diminuir a pressão sobre as urgências hospitalares.

Adão e Silva não vai ao Qatar "contra instâncias que dirigem o futebol mundial." As polémicas do ministro-adepto

Pedro Adão e Silva, em entrevista ao semanário Expresso, garante que não vai ao Mundial de 2022 mesmo que a Seleção Nacional chegue à final. O atual ministro da Cultura defende que o seu lugar no futebol “é no Estádio da Luz”.