Margarida Tavares e Ricardo Mestre são os novos secretários de Estado da Saúde

| Política
Porto Canal

O primeiro-ministro propôs, esta quinta-feira, ao Presidente da República a nomeação de Margarida Tavares para as funções de secretária de Estado da Promoção da Saúde. Além da médica do Hospital de São João, Ricardo Mestre, subdiretor-geral da Direção Geral da Saúde também vai juntar-se à equipa de Manuel Pizarro, como secretário de Estado da Saúde. 

A proposta de nomeação foi divulgada no site da Presidência da República. “O Presidente da República aceitou a proposta do primeiro-ministro de nomeação de três novos secretários de Estado, aos quais conferirá posse sexta-feira, pelas 19h30, no Palácio de Belém”, lê-se na nota.

Margarida Tavares, natural de Vale de Cambra, é coordenadora da Unidade de Doenças Infeciosas Emergentes do Centro Hospitalar Universitário de São Soão. A médica é também membro do Conselho Nacional de Saúde Pública desde 2020 e diretora do Programa Prioritário para a área das Infeções Sexualmente Transmissíveis e Infeção pelo Vírus da Imunodeficiência Humana.

Ricardo Mestre, natural de Serpa, é subdiretor-geral da Direção-Geral da Saúde desde junho deste ano e especialista em administração hospitalar e pós-graduado em administração de serviços de saúde. Foi também gestor de projeto no Conselho das Finanças Publicas na área da saúde e do Setor Público Empresarial entre março 2021 e junho 2022.

+ notícias: Política

Marcelo afirma que desconhecia custo do altar-palco e saúda declarações de Américo Aguiar

O Presidente da República afirmou esta quinta-feira que desconhecia o custo do altar-palco a construir em Lisboa para a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) e saudou as declarações do bispo Américo Aguiar sobre esta matéria.

Durão Barroso afirma que os governos devem evitar a arrogância do poder

O antigo primeiro-ministro Durão Barroso disse esta quinta-feira que há um “peso excessivo” do poder central em Portugal e alertou para a importância de os governos evitarem a “arrogância do poder”, sublinhando que a sociedade civil devia ser “mais independente”.

Marcelo Rebelo de Sousa não quer interferir no diálogo entre professores e Governo

Marcelo aponta que não será ele a reunir com os representantes dos nove sindicatos que são recebidos esta quinta-feira em Belém, mas sim consultores da Presidência da República. “Nesta fase devem ser os consultores a ouvir os pontos de vista reivindicativos dos professores, hoje uma parte dos sindicatos. No sábado outro sindicato, para assim poder ter uma ideia geral das convergências, das divergências, daquilo que são os pontos fundamentais que prosseguem e depois ter a reação do ministério”.