SNS. Governo vai replicar "fórmula do Porto" nas urgências de Lisboa

SNS. Governo vai replicar "fórmula do Porto" nas urgências de Lisboa
| Política
Porto Canal / Agências

O ministro da Saúde anunciou na passada terça-feira o desenvolvimento em 2023 de novas redes de urgências metropolitanas, que vão replicar em Lisboa o modelo aplicado no Porto há cerca de dez anos.

No próximo ano serão desenvolvidas as “redes de novas urgências metropolitanas, procurando replicar na área metropolitana de Lisboa uma experiência que já decorre na área metropolitana do Porto há mais de uma dezena de anos com resultados muito favoráveis”, disse Manuel Pizarro na audição conjunta nas comissões parlamentares de Orçamento e Finanças e Saúde, no âmbito da apreciação na especialidade do Orçamento do Estado para 2023, que tem votação final global agendada para 25 de novembro.

Essa medida permitirá “uma melhor gestão de recursos, facilitando o acesso das pessoas” às urgências, adiantou o governante.

Segundo o ministro, no âmbito do objetivo de melhorar a eficiência dos hospitais, está também prevista a reformulação das redes de referenciação hospitalar para saúde materna e infantil, mas também para a generalidade das especialidades hospitalares.

Manuel Pizarro disse ainda aos deputados que o Orçamento do Estado para 2023 representa um “fortíssimo investimento no Serviço Nacional de Saúde (SNS)”, dando continuidade ao “esforço que tem sido feito desde 2016”.

“Temos um orçamento reforçado que gera expectativa e confiança contra os profetas da desgraça, que só falam do SNS para o vilipendiar e menorizar”, afirmou o ministro.

Na sua intervenção inicial, Manuel Pizarro avançou também que, no próximo ano, o Governo pretende facilitar o acesso dos utentes aos medicamentos, através de um programa de distribuição em proximidade dos fármacos prescritos nas farmácias hospitalares, que beneficiará cerca de 150 mil portugueses.

“São pessoas que hoje têm de se deslocar aos hospitais e que passarão a poder receber o seu medicamento na farmácia da sua localidade”, disse Manuel Pizarro, ao salientar ainda o sistema de renovação automática das receitas para doentes crónicos.

No âmbito da luta contra o tabagismo, avançou que o Governo pretende em 2023 “concretizar a portaria que aprofundará as proibições de fumar em recintos fechados”.

Quanto ao próximo inverno, Manuel Pizarro “chamou a atenção” para a importância da vacinação, adiantando que o programa “está a correr bem”, com quase dois milhões de pessoas vacinadas com a quarta dose contra a covid-19 e com a vacina sazonal da gripe.

“Todas as unidades residenciais de idosos e da rede de cuidados continuados já foram objeto do programa de vacinação”, disse o ministro, que reconheceu a necessidade de “promover ajustamentos no sistema de saúde” para enfrentar o “período difícil” do inverno.

Manuel Pizarro salientou ainda que o “Governo acredita profundamente” no novo modelo de governação do SNS, com a criação da nova direção executiva, que tem funções operacionais e técnicas, um trabalho a realizar ao longo de 2023 e que não será “isento de dificuldades”.

+ notícias: Política

Quem é Elisabete Sousa, a “candidata-surpresa” que promete baralhar as eleições?

Na Via Norte, na Maia, foi colocado um cartaz com o slogan “Elisabete Sousa ‘24. Por um Portugal onde o ordenado mínimo são €5.000!”. Apesar de não ser feito um apelo direto ao voto, milhares de automobilistas que por ali passam terão já assumido estar perante uma candidatura às eleições legislativas de 10 de março. Mas Elisabete Sousa não vai figurar nos boletins de voto onde os portugueses vão escolher os seus representantes na Assembleia da República, não fosse ela na realidade uma personagem criada por uma conta paródia na rede social X. Os outdoors foram colocados na Avenida AEP e outros locais do Porto, bem como em Lisboa.

MP pede condenação de Ana Gomes por acusar Mário Ferreira de narcotráfico

O Ministério Publico pediu esta terça-feira a condenação da ex-eurodeputada Ana Gomes por difamação, dando como provado que a ex-diplomata acusou Mário Ferreira de estar ligado ao narcotráfico numa publicação numa rede social.

Paulo Raimundo diz que problemas da função pública não serão resolvidos por PS nem Direita

O secretário-geral do PCP denunciou esta terça-feira, em Palmela, a "falta de reconhecimento" dos trabalhadores da administração pública e considerou que a solução para os problemas destes profissionais não passa pelo PS ou pela direita