Info

Covid-19: Conselho de Direitos Humanos da ONU suspende sessão a partir de sexta-feira

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Genebra, 12 mar 2020 (Lusa) - O Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas decidiu hoje suspender a sua sessão em curso a partir de sexta-feira devido à pandemia do novo coronavírus.

"Com o acordo do Conselho, suspendemos o Conselho até novo aviso", anunciou a sua presidente, Elisabeth Tichy-Fisslberger, perante os diplomatas.

Nenhum país se opôs à decisão, que foi tomada devido à recente avaliação da Organização Mundial de Saúde (OMS) que declarou na quarta-feira a doença Covid-19 como pandemia.

O Conselho de Direitos Humanos deve ainda reunir-se na sexta-feira para proceder à nomeação de relatores especiais, especialistas independentes da ONU responsáveis por acompanhar situações específicas.

As propostas de resolução deverão ser finalizadas antes do meio-dia de sexta-feira, mas serão examinadas quando o trabalho recomeçar numa data posterior que não foi definida.

Várias resoluções importantes eram aguardadas, principalmente sobre a Líbia, sobre a qual a Suíça queria uma comissão internacional de inquérito.

Até à noite de sexta-feira, apenas um representante por delegação pode participar das reuniões do Conselho.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou quarta-feira a doença Covid-19 como pandemia.

A OMS justifica a declaração de pandemia com "níveis alarmantes de propagação e de inação".

A pandemia de Covid-19 foi detetada em dezembro, na China, e já provocou mais de 4.500 mortos em todo o mundo.

O número de infetados ultrapassou as 124 mil pessoas, com casos registados em 120 países e territórios, incluindo Portugal, que tem 59 casos confirmados.

A China registou nas últimas 24 horas 15 novos casos de infeção pelo Covid-19, o número mais baixo desde que iniciou a contagem diária, em janeiro.

Até à meia-noite de quarta-feira (16:00 horas em Lisboa), o número de mortos na China continental, que exclui Macau e Hong Kong, subiu em 11, para 3.169. No total, o país soma 80.793 infetados.

Face ao avanço da pandemia, vários países têm adotado medidas excecionais, incluindo o regime de quarentena inicialmente decretado pela China na zona do surto.

A Itália é o caso mais grave depois da China, com mais de 12.000 infetados e pelo menos 827 mortos, o que levou o Governo a decretar a quarentena em todo o país.

SYSC // FPA

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Cientistas descobrem anticorpos que podem neutralizar as variantes da Covid-19

Uma equipa internacional de cientistas descobriu anticorpos que podem neutralizar as variantes da Covid-19, incluindo esta última variante Ómicron, um estudo que foi desenvolvido por cientistas da Escola de Medicina da Universidade de Washington, nos EUA

Alta-Comissária da ONU para os Direitos Humanos pede "libertação imediata" do PR do Burkina Faso

Genebra, 25 jan 2022 (Lusa) - A Alta-Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, apelou hoje à "libertação imediata" do Presidente do Burkina Faso, Roch Marc Christian Kaboré, deposto por um golpe militar este fim de semana.

Polícia britânica está a investigar "festas" durante pandemia em Downing Street

Londres, 25 jan 2022 (Lusa) - A polícia britânica anunciou hoje que está a investigar as presumíveis festas organizadas em Downing Street durante os períodos de confinamento impostos no âmbito da pandemia, situação que está a colocar sob forte pressão o primeiro-ministro Boris Johnson.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS