Guerra na Ucrânia - Clique aqui e veja os pontos essenciais
Info

Covid19: Missão conjunta europeia e russa a Marte adiada para 2022

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 12 mar 2020 (Lusa) - A missão espacial conjunta europeia e russa para enviar um veículo de exploração a Marte foi adiada para 2022, anunciaram hoje os responsáveis, invocando o contágio de Covid-19 que alastra pela Europa como uma das razões.

A segunda missão conjunta Exomars tinha partida prevista para este ano, mas os responsáveis concluíram que precisam de mais tempo para "aprontar todos os componentes para a aventura de Marte", segundo um comunicado conjunto da Agência Espacial Europeia e da empresa estatal Roscosmos.

"O agravamento geral da situação epidemiológica em países europeus" é outra razão apontada para o adiamento da missão, cujo trabalho fica "comprometido" por causa das restrições impostas para conter o contágio do novo coronavírus.

"Tomámos a decisão difícil mas ponderada de adiar o lançamento para 2022. Justifica-se primeiro pela necessidade de reforçar a robustez de todos os sistemas da Exomars e pelas circunstâncias de força maior (...) que impossibilitam os nossos especialistas de viajar. Confio que os passos que nós e os nossos colegas europeus estão a tomar para garantir o sucesso da missão se justificam e trarão resultados positivos", afirmou o diretor da Roscosmos, Dmitry Rogozin.

O objetivo da missão é descobrir se já existiu vida em Marte e compreender melhor a história da água no planeta. O veículo de exploração chama-se Rosalind Franklin, em homenagem à química britânica que estudou a estrutura do DNA.

O diretor-geral da agência espacial, Jan Wörner, afirmou que os responsáveis da missão não podem "permitir qualquer margem de erro".

Será a primeira missão com capacidade para procurar sinais de vida sob a superfície marciana, onde poderão existir provas bem preservadas.

O novo coronavírus responsável pela Covid-19 foi detetado em dezembro, na China, e já provocou mais de 4.600 mortos em todo o mundo, levando a Organização Mundial de Saúde a declarar a doença como pandemia.

O número de infetados ultrapassou as 125 mil pessoas, com casos registados em cerca de 120 países e territórios, incluindo Portugal, que tem 78 casos confirmados.

A China registou nas últimas 24 horas 15 novos casos de infeção pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2), o número mais baixo desde que iniciou a contagem diária, em janeiro.

Até à meia-noite de quarta-feira (16:00 horas em Lisboa), o número de mortos na China continental, que exclui Macau e Hong Kong, subiu em 11, para 3.169. No total, o país soma 80.793 infetados.

Face ao avanço da pandemia, vários países têm adotado medidas excecionais, incluindo o regime de quarentena inicialmente decretado pela China na zona do surto.

A Itália é o caso mais grave depois da China, com mais de 12.000 infetados e pelo menos 827 mortos, o que levou o Governo a decretar a quarentena em todo o país.

APN // HB

Lusa/fim

+ notícias: Mundo

Militar cercado em Azovstal partilha fotografias do interior dos abrigos. Veja as imagens aqui

Um militar ucraniano do regimento Azov colocou à disposição do público uma seleção de fotografias tiradas no interior da fábrica de aço Azovstal, último reduto da resistência ucraniana na cidade portuária de Mariupol.

Putin ameaça com ataques "relâmpago" em caso de intromissão estrangeira

O Presidente russo, Vladimir Putin, ameaçou hoje que responderá com um ataque "relâmpago" a qualquer ingerência estrangeira na Ucrânia, onde está há dois meses em curso uma guerra desencadeada pela invasão do exército russo.

Pelo menos nove civis mortos por bombardeamentos russos no leste e sul da Ucrânia

Pelo menos nove civis morreram hoje na sequência de bombardeamentos do exército russo no leste e sul da Ucrânia, anunciaram as autoridades locais. De acordo com informações do governador da região de Lugansk (leste da Ucrânia), Sergey Gadai, três civis morreram debaixo de escombros de um prédio atingido por um bombardeamento na cidade de Popasna, para onde tinham fugido a fim de, segundo a mesma fonte, "se proteger de mísseis russos".

Um outro bombardeamento, que atingiu a cidade de Kharkiv (também no leste), a segunda maior da Ucrânia, matou três pessoas e deixou sete feridas, duas delas com gravidade, anunciou o governador regional, Oleg Synegoubov, apelando aos moradores para terem "muito cuidado e, se possível, não saírem dos abrigos".

Outros dois civis foram mortos e seis ficaram feridos na região de Donetsk, segundo o governador, Pavlo Kyrylenko.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.