UNIR liga os motores: Marco Martins é o primeiro utilizador da nova rede de autocarros do Grande Porto

UNIR liga os motores: Marco Martins é o primeiro utilizador da nova rede de autocarros do Grande Porto
| Porto
Porto Canal

O presidente da Câmara Municipal de Gondomar foi o primeiro “viajante” da UNIR, a nova rede de autocarros da Área Metropolitana do Porto (AMP). O novo sistema de transportes do Grande Porto arrancou esta sexta-feira, 1 de dezembro, com 439 linhas a ligar 17 municípios.

Numa publicação nas redes sociais Facebook e Instagram, Marco Martins fez notar a hora da primeira viagem da UNIR. “6h15, Largo do Souto: não podia deixar de fazer a primeira viagem. UNIR: a nova mobilidade Metropolitana!”, escreveu o autarca.

A nova rede e respetiva imagem irá substituir um modelo de concessões linha a linha herdado de 1948, efetuados pelos cerca de 30 operadores privados rodoviários na AMP, como por exemplo a Caima, AV Feirense, Transdev, UT Carvalhos, Gondomarense, Pacense, Arriva, Maré, Landim, Valpi, Litoral Norte, Souto, MGC, Seluve, Espírito Santo, entre outros. Contudo, a menos de uma semana do início das operações mantêm-se os atrasos na disponibilização de horários das respetivas paragens, apenas sendo conhecidos os horários do lote de Vila do Conde e da Póvoa de Varzim.

Incerteza em torno dos horários arrasta-se

Recorde-se que o presidente da Área Metropolitana do Porto (AMP), Eduardo Vítor Rodrigues, garantiu que os horários da nova rede UNIR seriam conhecidos durante o dia de ontem, 24 de novembro, um cenário que acabou por não se verificar.

"Os horários serão conhecidos hoje [sexta-feira] mesmo. Dos horários, aquilo que eu posso dizer, tranquilizando as pessoas, é que todos aqueles que existiam mantêm-se, e são acrescentados uns tantos", frisou o também autarca de Vila Nova de Gaia, acrescentando que não haverá "nenhuma desregulação" dos horários.

 
 
 
Ver esta publicação no Instagram
 
 
 

Uma publicação partilhada por Porto Canal (@porto.canal)

 

Questionado sobre os motivos para a demora na divulgação dos horários, o presidente da AMP justificou-a com a "ausência dos autocarros para o cumprimento de tudo o que está estipulado".

"É bom que nós percebamos que para ter, neste momento, os horários todos disponíveis, nós precisamos, à data de hoje, de ter cerca de 160 motoristas que vieram do estrangeiro, e que estão neste momento em fase de formação, e quase 200 novos autocarros que foram adquiridos pelas várias empresas", salientou o edil gaiense.

Antes disto, já o Presidente da Câmara de Gondomar havia avançado ao Porto Canal, na passada terça-feira, que “se tudo correr bem” os horários das novas linhas de autocarro seriam disponibilizados na quarta-feira, algo que também acabou por não acontecer.

“Total descoordenação” da UNIR na mira da Câmara do Porto

Recorde-se que o início da semana ficou marcada pelas críticas feitas pela Câmara Municipal do Porto à nova rede de transportes. Em exclusivo ao Porto Canal, fonte da presidência manifestou a preocupação da autarquia com o que considera ser a “total descoordenação” da gestão operacional da UNIR.

Uma das questões da ‘polémica’ levantada prendia-se, precisamente, com o atraso na comunicação dos horários nas linhas dos autocarros. “Os horários são as peças fundamentais para que as pessoas possam planear todas as suas viagens, desde logo, transbordos eventualmente necessários”, vincou o Município numa nota disponibilizada ao Porto Canal.

Os horários das respetivas linhas estão disponíveis para consulta no site da UNIR.

+ notícias: Porto

Restaurante Antiqvvm no Porto ganha segunda estrela Michelin

O restaurante Antiqvvum no Porto ganhou este terça-feira a segunda estrela do guia Michelin, enquanto quatro estabelecimentos conquistaram uma estrela, anunciou a publicação, numa cerimónia exclusivamente dedicada a Portugal, em Albufeira.

Câmara do Porto volta a lançar concurso para reabilitação do Jardim da Cordoaria

A Go Porto publicou esta terça-feira o concurso público para a empreitada de reabilitação do Jardim da Cordoaria, no Porto, pelo valor de 528 mil euros. Esta obra já tinha sido alvo de um concurso publicado em março do ano passado.

“O centralismo é evidente. Não há forma de esconder”. Portugueses querem a regionalização

Seja no que diz respeito ao aproveitamento de fundos europeus ou na ideia de uma maior autonomia, a maioria dos portugueses parece estar a favor da regionalização, como mostra uma sondagem da associação SEDES e a auscultação de alguns portuenses pelo Porto Canal.