Aterros sanitários do Norte esgotados no final de 2026. Recivalongo pede menos burocracia

| Porto
Porto Canal

Os aterros sanitários do Norte de Portugal devem esgotar-se no final de 2026, e não há previsão de novas construções, afirma a administração da Recivalongo, a empresa que gere o aterro de resíduos não-urbanos de Valongo.

São 80 a 100 camiões por dia com resíduos não urbanos a entrar no aterro de Valongo. São 150 mil toneladas de lixo não reciclável por ano. Todos os camiões são pesados e avaliados, e cada quilo de lixo tem um local exato.

O depósito de Sobrado vai já em 60% da capacidade, e deve esgotar-se em menos de 4 anos. Neste momento, o aterro de Valongo é o único em funcionamento em toda a região Norte para resíduos não-urbanos. A população de Sobrado contesta o funcionamento do aterro, que diz ser uma fonte de poluição.

Com os aterros cada vez mais cheios, e sem previsão de construção de novos equipamentos, a solução está no maior aproveitamento dos resíduos. A Recivalongo trata as águas que passam pelo lixo e quer vender para produção de hidrogénio, e capta o gás metano, que vem da decomposição do lixo, para produção de energia.

“No nosso entender o impacto dos aterros está diretamente relacionado com a extração de matérias-primas virgens. O custo de extração de matérias virgens assim como o impacto dessa extração assume custos ambientais 30 vezes superiores ao deposito destes produtos em aterro”, explica a Recivalongo

+ notícias: Porto

Rui Moreira junta-se a Montenegro na campanha da AD

O presidente da Câmara do Porto vai marcar presença no almoço-comício da coligação Aliança Democrática (AD), realizado este sábado na Trofa, prestando assim apoio a Luís Montenegro, que se candidata a primeiro-ministro, escreve o Público.

Linha de Leixões aguarda assinatura de protocolo para receber comboios de passageiros

A Linha de Leixões aguarda pela celebração de um protocolo entre a Câmara de Matosinhos, a CP – Comboios de Portugal e a Infraestruturas de Portugal (IP) para voltar a receber comboios de passageiros, comunica, este sábado, o Dinheiro Vivo.

Porto é um dos distritos mais afetados pelas burlas 

Portugal registou um aumento de 21.548 crimes de burlas face ao ano passado, informou, este sábado, a Guarda Nacional Republicana (GNR) em comunicado enviado às redações.