Aterros sanitários do Norte esgotados no final de 2026. Recivalongo pede menos burocracia

| Porto
Porto Canal

Os aterros sanitários do Norte de Portugal devem esgotar-se no final de 2026, e não há previsão de novas construções, afirma a administração da Recivalongo, a empresa que gere o aterro de resíduos não-urbanos de Valongo.

São 80 a 100 camiões por dia com resíduos não urbanos a entrar no aterro de Valongo. São 150 mil toneladas de lixo não reciclável por ano. Todos os camiões são pesados e avaliados, e cada quilo de lixo tem um local exato.

O depósito de Sobrado vai já em 60% da capacidade, e deve esgotar-se em menos de 4 anos. Neste momento, o aterro de Valongo é o único em funcionamento em toda a região Norte para resíduos não-urbanos. A população de Sobrado contesta o funcionamento do aterro, que diz ser uma fonte de poluição.

Com os aterros cada vez mais cheios, e sem previsão de construção de novos equipamentos, a solução está no maior aproveitamento dos resíduos. A Recivalongo trata as águas que passam pelo lixo e quer vender para produção de hidrogénio, e capta o gás metano, que vem da decomposição do lixo, para produção de energia.

“No nosso entender o impacto dos aterros está diretamente relacionado com a extração de matérias-primas virgens. O custo de extração de matérias virgens assim como o impacto dessa extração assume custos ambientais 30 vezes superiores ao deposito destes produtos em aterro”, explica a Recivalongo

+ notícias: Porto

Um ano depois do novo regulamento, Movida continua a não dar descanso aos moradores da Baixa do Porto

“Eles ficam com o dinheiro, e nós ficamos com o barulho”. O desabafo de Paula Amorim perdura há mais de 15 anos, altura em que a vida noturna começou a crescer na Baixa do Porto. A moradora, juntamente com outra, Sara Gonçalves, tem sido o rosto de uma luta que parece não ter fim, nem com um novo regulamento lançado há um ano: “Não desisto porque tenho direito ao descanso”. Câmara admite rever regras.

Porto vai ter mais ruas com acesso condicionado a automóveis

O executivo municipal aprovou por maioria, na reunião desta segunda-feira, a aquisição de serviços para a manutenção do sistema de gestão das Zonas de Acesso Automóvel Condicionado (ZAAC) existentes. Mas vão ser criadas novas zonas.

Metrobus. Acesso da Avenida da Boavista à Rua António José da Costa vai estar interdito

Com a construção da primeira fase do traçado do metrobus, o acesso da Avenida da Boavista à Rua António José da Costa estará interdito a partir de terça-feira e até 12 de abril. Desta forma, os automobilistas que tencionem dirigir-se a esta artéria terão de seguir pelas ruas António Cardoso e António Patrício.