Avenida da Ponte: Arquitetos devem lutar para que plano de Siza para a Sé seja cumprido, defende Nuno Grande

Avenida da Ponte: Arquitetos devem lutar para que plano de Siza para a Sé seja cumprido, defende Nuno Grande
Porto Canal | Pedro Benjamim
| Porto
Ana Francisca Gomes

Nuno Grande defende que todos os arquitetos deviam “pugnar” para que o plano que Álvaro Siza desenhou para a Avenida da Ponte, na Sé, seja executado. Para o arquiteto, aos poucos - “construindo-se lote a lote, em conjunto, por quarteirões” - é possível fazer-se cumprir o plano do maior nome da arquitetura portuguesa, que foi deixado na gaveta pelos diversos executivos que passaram na Câmara Municipal do Porto.

Pensar e projetar um plano para um Centro Histórico de uma cidade como a do Porto, em que vários séculos convivem nos edifícios, muitas vezes justapostos, não é tarefa fácil. Mas a missão pode ficar ainda mais complicada quando se tenta fazê-lo a seguir a nomes como Fernando Távora ou Siza, que já desenharam projetos para a Sé.

Porto Canal

Edifício desenhado por Nuno Grande. Foto: Ana Torres | Porto Canal

Esse foi um peso que herdou Nuno Grande, que em muitos anos foi o único arquiteto a projetar dentro do perímetro da Avenida da Ponte. No ano de 2019, o arquiteto ergueu um edifício em betão, no cruzamento entre a Avenida e a rua do Loureiro, junto à estação de S. Bento.

Por prezar os planos que Siza desenhou para a Avenida da Ponte em 1968 – que mais tarde, em 2001, refez para o Porto Capital Europeia da Cultura –, assim que lhe encomendaram o projeto do edifício, a primeira coisa que Nuno Grande fez foi falar com o primeiro Pritzker português.

“Quando fui ao atelier do Siza ele disse-me logo: ‘você tem sorte porque é a primeira pessoa que vai ter de enfrentar este problema. Ou azar’”, partilha com o Porto Canal.

Para Nuno Grande, Siza pensou a Avenida da Ponte como um plano aberto a outros autores - “como bom democrata que é” - mas que já não espera vê-lo cumprido em vida.

“Acho que fiquei a dever esta conversa que estamos a ter ao Siza. Ele foi generoso comigo e eu quero com isto também dizer que todos os arquitetos deviam pugnar para que – lote a lote, em conjunto, por quarteirões – o plano dele pudesse ser construído. Com uma promoção ou uma regulação pública, do município, mas envolvendo naturalmente outros promotores e arquitetos”.

+ notícias: Porto

Linha Amarela da Metro do Porto condicionada até junho na Ponte Luís I

A operação da Linha Amarela da Metro do Porto, que liga o Hospital S. João a Santo Ovídio, estará condicionada até o segundo dia de junho, para trabalhos de manutenção na Ponte Luís I, confirmou fonte da empresa ao Porto Canal. Contudo, a intervenção na travessia não gera transtornos em horários de pico da operação, uma vez que esta decorre em horário noturno.

Incêndio em colégio no Porto já está extinto

O incêndio que deflagrou ao início da tarde de deste domingo no Colégio Flori, no Porto, "já está extinto" e em fase de rescaldo e ventilação, adiantaram ao Porto Canal as autoridades.

Last Folio: as duras memórias do Holocausto 

O Museu e Igreja da Misericórdia do Porto acolhem a exposição internacional LAST FOLIO acompanhada por um documentário, que mostra as memórias do Holocausto. A exposição do fotógrafo Yuri Dojc e da cineasta Katya Krausova, pode ser visitada até novembro.