Ramal para ligar Alfândega e Campanhã pode custar 22 milhões de euros

Ramal para ligar Alfândega e Campanhã pode custar 22 milhões de euros
| Porto
Porto Canal

Um estudo apresentado pela STCP, na reunião desta segunda-feira do executivo da Câmara Municipal do Porto, conclui que a reativação com ferrovia do Ramal da Alfândega, no Porto, custaria 22 milhões de euros. O troço, inutilizado desde 1989, poderá também ser adaptado para um transporte rodoviário por metade do valor do custo atarvés de transporte ferroviário.

De acordo com o estudo, a operação seria lucrativa caso fosse introduzido transporte público ao longo do canal com 3,7 quilómetros de extensão, salvaguardando a não construção da estação das Fontaínhas que teria um custo de 2,5 milhões de euros e uma procura diária de 25 a 30 passageiros.

Por sua vez, uma ligação direta Alfândega-Campanhã teria uma procura diária próxima dos três mil passageiros (2.800), estimando-se que anualmente passassem entre 835 mil a um milhão de passageiros naquele Ramal.

A grande questão, segundo a STCP, é o tipo de transporte a ser introduzido no Ramal da Alfândega, existindo duas hipóteses que terão obrigatoriamente de funcionar em sistema de "vai-e-vem": transporte assente na ferrovia (metro ligeiro) ou transporte assente na rodovia (mini-bus). A primeira opção tem um custo a rondar os 22 milhões de euros, o dobro da segunda.

Segundo a sociedade de transportes, uma concessão pelo período máximo de 15 anos apresentaria resultados financeiros positivos, com custos anuais de um milhão de euros e uma receita de dois milhões e meio de euros.

 
 
 
Ver esta publicação no Instagram
 
 
 

Uma publicação partilhada por Porto Canal (@porto.canal)

+ notícias: Porto

O antigo quarteirão da Casa Forte mudou com o Porto

O antigo quarteirão da Casa Forte, no coração do Porto, ganhou o nome da loja da esquina voltada ao Mercado do Bolhão. A emblemática empresa da cidade viria a encerrar em 2004, paradoxalmente o ano da criação da Porto Vivo, Sociedade de Reabilitação Urbana, que lançou as bases da nova vida do quarteirão. Entre projetos, demolições e mudança de promotores imobiliários, só ao fim de quase 20 anos é que o espaço da cidade vai voltar a receber moradores. Numa viagem pela história, que resposta dá à cidade o novo Quarteirão da extinta Casa Forte?

“A ‘cidade-negócio’ vai-se descaracterizando completamente perdendo interesse até para turistas”

A histórica Mercearia do Bolhão, aberta no Porto desde 1880, vai encerrar portas a 30 de abril para dar lugar a uma loja da multinacional Ale-Hop, como avançou o Porto Canal na manhã desta sexta-feira. À esquerda, os vereadores da oposição da Câmara do Porto lamentam que a cidade se vá ‘descaracterizando’.

Neonia: o novo museu interativo e néon que ilumina a história do Porto

Sabia que em 1917, dois acrobatas subiram à Torre dos Clérigos sem qualquer equipamento de proteção para promover uma marca de bolachas? Apesar de já ter passado mais de um século, este é um entre os tantos acontecimentos lembrados no novo museu que abriu portas este sábado no coração do Porto. “O Neonia é uma pura homenagem à cidade”, sublinha um dos responsáveis.