Terminal do Campo 24 de Agosto encerra cinco anos depois. TIC vai triplicar oferta no Porto

Terminal do Campo 24 de Agosto encerra cinco anos depois. TIC vai triplicar oferta no Porto
| Porto
Porto Canal

A partir desta terça-feira as empresas de transporte rodoviário deixam de operar a partir do Terminal do Campo 24 de Agosto. A estação, em funcionamento há cinco anos, encerra hoje. A oferta passa a estar centralizada no Terminal Intermodal de Campanhã (TIC).

O desfecho já é conhecido desde final de novembro. Tal como o Porto Canal noticiou em primeira mão, o terminal rodoviário do Campo 24 de Agosto encerra esta terça-feira. Toda a operação da Transdev e Rede Expressos passa a estar centralizada no TIC. Segundo a Câmara Municipal do Porto, a oferta “vai quase triplicar”, uma vez que os serviços de transporte rodoviário passam a estar centralizados nesta estação.

No Campo 24 de Agosto vai permanecer, para já, uma única carreira urbana da Transdev, para S. João da Madeira.

Para acompanhar e reencaminhar utentes que se enganem e se desloquem às antigas instalações de autocarros, quando deveriam ir para o TIC, vai estar em funcionamento um 'shuttle' - um transfer que vai levar as pessoas para as linhas corretas, sempre que necessário, operado pela Redes Expresso.

Embora este seja um momento decisivo para o funcionamento do TIC, as condições de conforto e segurança do novo equipamento não reúnem consenso entre as operadoras de transporte. A empresa Gondomarense acredita que o terminal não tem as condições indicadas para a operação de carreiras de pequeno curso. A transportadora diz que “o grande problema prende-se com as distâncias e os tempos perdidos” entre a intermodalidade do espaço. As sete linhas da Gondomarense que iriam ser deslocadas para Campanhã ficaram a meio caminho, num terminal improvisado na Via FC Porto, ao lado da estação de metro do Dragão.

Após a inauguração do TIC, as paragens de autocarro chegaram a ser removidas do terminal improvisado no Dragão, mas foram entretanto repostas. Fonte da presidência garante que o TIC é um “sucesso”, que os serviços “melhores” e “mais importantes” estão em Campanhã, e parece indicar que tudo não passa de um conflito ou pressão por parte da Câmara de Gondomar.

+ notícias: Porto

O antigo quarteirão da Casa Forte mudou com o Porto

O antigo quarteirão da Casa Forte, no coração do Porto, ganhou o nome da loja da esquina voltada ao Mercado do Bolhão. A emblemática empresa da cidade viria a encerrar em 2004, paradoxalmente o ano da criação da Porto Vivo, Sociedade de Reabilitação Urbana, que lançou as bases da nova vida do quarteirão. Entre projetos, demolições e mudança de promotores imobiliários, só ao fim de quase 20 anos é que o espaço da cidade vai voltar a receber moradores. Numa viagem pela história, que resposta dá à cidade o novo Quarteirão da extinta Casa Forte?

“A ‘cidade-negócio’ vai-se descaracterizando completamente perdendo interesse até para turistas”

A histórica Mercearia do Bolhão, aberta no Porto desde 1880, vai encerrar portas a 30 de abril para dar lugar a uma loja da multinacional Ale-Hop, como avançou o Porto Canal na manhã desta sexta-feira. À esquerda, os vereadores da oposição da Câmara do Porto lamentam que a cidade se vá ‘descaracterizando’.

Fecha a Mercearia do Bolhão. Vai o Porto tornar-se numa “cidade como outra qualquer”?

A histórica Mercearia do Bolhão, aberta no Porto desde 1880, vai encerrar portas a 30 de abril para dar lugar a uma loja da multinacional Ale-Hop, como avançou o Porto Canal na manhã desta sexta-feira. José Rio Fernandes, geógrafo e professor da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, considera que Portugal deveria ser “menos liberal em relação ao comércio” e que os municípios deveriam ter mais poder no que diz respeito à ordenação do seu território.