Covid-19: Maioria dos 'contact centers' em teletrabalho

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 18 mar 2020 (Lusa) -- A grande maioria dos 'contact centers' (centros de contacto) está a recorrer ao teletrabalho para proteger os seus trabalhadores da pandemia Covid-19, conforme indicou hoje a Associação Portuguesa de 'Contact Centers' (APCC).

"Os 'contact centers' que integram a APCC já acionaram planos de contingência para fazer face ao surto do novo coronavírus (Covid-19) e a grande maioria já está mesmo a recorrer ao teletrabalho", como a BlissNatura, a Cetelem, os CTT, a GS1, a RHmais e a SIBS Processos, indicou, em comunicado, a associação.

Com esta medida pretende-se proteger os operadores e garantir a manutenção do serviço prestado aos clientes, justificou a APCC.

De acordo com os dados da associação, a BlissNatura tem, desde o início desta semana, 99% dos seus colaboradores em regime de teletrabalho, enquanto na Cetelem alguns colaboradores operacionais foram colocados em trabalho remoto e os grupos em risco foram para casa com vencimento assegurado, na totalidade, pela empresa.

No 'contact center' dos CTT, 50% da equipa está em teletrabalho e foram criados guias de atendimento para canalizar os clientes para o 'self-service' ou para o 'e-mail' de dois centros de atendimento.

Por sua vez, na GS1 o trabalho também já decorre a partir de casa e foi adotada uma plataforma para reuniões e alertas pontuais enquanto na RHmais foi seguido um plano de contingência que prevê que cerca de 90% dos 2.200 colaboradores estejam em teletrabalho.

Já no centro de contacto da SIBS Processos, cerca de 85% dos colaboradores estarão em regime de teletrabalho até ao final da semana.

"No que diz respeito às empresas tecnológicas como a Altitude e a GoContact, por exemplo, já têm, neste momento, todos os colaboradores a trabalhar a partir de casa", acrescentou a associação. 

A APCC conta, atualmente, com 92 associados.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19, infetou mais de 200 mil pessoas em todo o mundo, das quais mais de 8.200 morreram.

Das pessoas infetadas, mais de 82.500 recuperaram da doença.

Em Portugal, a Direção-Geral da Saúde (DGS) elevou hoje o número de casos confirmados de infeção para 642, mais 194 do que na terça-feira. O número de mortos no país subiu para dois.

Dos casos confirmados, 553 estão a recuperar em casa e 89 estão internados, 20 dos quais em Unidades de Cuidados Intensivos (UCI).

O boletim divulgado pela DGS assinala 5.067 casos suspeitos até hoje, dos quais 351 aguardavam resultado laboratorial.

Das pessoas infetadas em Portugal, três recuperaram.

  

PE // EA

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Presidente do IEFP demitiu-se após polémica com subsídio de desemprego

A presidente do Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) demitiu-se do cargo na sequência das dúvidas legais levantadas por ter acumulado subsídio de desemprego com atividades "pontuais" para a sua empresa, noticia hoje o jornal Negócios.

Passageiros nos aeroportos mais que quadruplicam no 2.º trimestre para 14,5 milhões

O número de passageiros nos aeroportos nacionais mais do que quadruplicou no segundo trimestre deste ano, crescendo 329,3% em relação ao período homólogo, para 14,5 milhões, indicou a ANAC -- Agência Nacional de Aviação Civil.

Risco de falta de água vai atingir 17% dos europeus até 2050

Cerca de 17% da população europeia está em grande risco de escassez de água até 2050, o que poderá afetar 13% do PIB da Europa, indica uma análise hoje divulgada pela organização “World Wide Fund for Nature” (WWF).