Covid-19: Suspenso direito à greve se comprometer cuidados de saúde

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 18 mar 2020 (Lusa) -- O decreto de estado de emergência, hoje proposto pelo Presidente, prevê a suspensão do direito à greve se tal "comprometer o funcionamento de infraestruturas críticas" ou a "prestação de cuidados de saúde" no combate à pandemia da Covid-19.

No texto da proposta de decreto do Presidente da República, entregue no parlamento, depois de receber o parecer positivo do Governo, é ainda aberta a possibilidade de as autoridades públicas requisitarem "colaboradores de entidades públicas e privadas, independentemente do tipo de vínculo" para se apresentarem ao serviço.

E poderão trabalhar numa "entidade diversa e em condições e horários de trabalho diversos", designadamente "no caso de trabalhadores dos setores de saúde, proteção civil, segurança e defesa" e ainda de "outras atividades necessárias para o tratamento de doentes, à prevenção e combate à propagação da epidemia".

Estão, igualmente, incluídas as atividades de "produção, distribuição e abastecimento de bens e serviços essenciais" ou ainda de "setores vitais da economia, à operacionalidade de redes e infraestruturas críticas e à manutenção da ordem pública e do Estado de Direito democrático".

 

 

NS // JPS

Lusa/fim

+ notícias: País

Mais de 70% dos emigrantes querem regressar a Portugal

Mais de 70% dos portugueses residentes no estrangeiro querem regressar a Portugal, a médio ou longo prazo, e 73% já investiram ou consideram como provável investir no seu país, segundo um inquérito da Sedes divulgado hoje.

Temperaturas sobem a partir de 4.ª e podem atingir 40 graus em algumas regiões

As temperaturas vão subir a partir de quarta-feira em Portugal continental, podendo atingir os 40 graus Celsius na quinta-feira em algumas regiões, levando a um aumento significativo do perigo de incêndio rural, Segundo o IPMA.

TAP: "Reconhecemos que não estamos a oferecer serviço de excelência"

Christine Ourmières-Widener, presidente executiva da TAP, reconheceu, esta segunda-feira, que a companhia aérea não "está a oferecer o serviço de excelência" que planeou, face à crise que o transporte aéreo atravessa e que "este fim de semana não foi fácil para a TAP devido a constrangimentos vários".