Covid-19: Estado de emergência salvaguarda liberdade de informação e cidadania

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 18 mar 2020 (Lusa) -- A liberdade de expressão e de informação ficam salvaguardadas com a declaração do estado de emergência, bem como os direitos à capacidade civil e cidadania, prevê o projeto de decreto presidencial hoje em debate no parlamento.

O projeto de decreto, que foi divulgado no "site" da Presidência da República, dispõe no seu artigo 5.º que os efeitos da declaração do estado de emergência não afetam, "em caso algum" as liberdades de expressão e de informação.

Os direitos à vida, à integridade pessoal, "à capacidade civil e à cidadania, à não retroatividade da lei criminal, à defesa dos arguidos e à liberdade de consciência e religião" também não são afetados pelo estado de emergência.

E, "em caso algum pode ser posto em causa o princípio do Estado unitário ou a continuidade territorial do Estado",. Refere o projeto de diploma.

Ainda no mesmo artigo, prevê-se que a Procuradoria-Geral da República e a Provedoria de Justiça "mantêm-se em sessão permanente".

O diploma está a ser debatido no parlamento, que terá de votar uma resolução para autorizar a declaração do estado de emergência, cabendo ao Presidente da República, em caso afirmativo, decretá-lo.

SF // JPS

Lusa/fim

+ notícias: Política

Quem é Elisabete Sousa, a “candidata-surpresa” que promete baralhar as eleições?

Na Via Norte, na Maia, foi colocado um cartaz com o slogan “Elisabete Sousa ‘24. Por um Portugal onde o ordenado mínimo são €5.000!”. Apesar de não ser feito um apelo direto ao voto, milhares de automobilistas que por ali passam terão já assumido estar perante uma candidatura às eleições legislativas de 10 de março. Mas Elisabete Sousa não vai figurar nos boletins de voto onde os portugueses vão escolher os seus representantes na Assembleia da República, não fosse ela na realidade uma personagem criada por uma conta paródia na rede social X.

Paulo Raimundo diz que problemas da função pública não serão resolvidos por PS nem Direita

O secretário-geral do PCP denunciou esta terça-feira, em Palmela, a "falta de reconhecimento" dos trabalhadores da administração pública e considerou que a solução para os problemas destes profissionais não passa pelo PS ou pela direita

Montenegro defende mais regulação e integração da imigração para combater a insegurança

O presidente do PSD, Luís Montenegro, considerou que situações de imigração não integrada, em condições instáveis e pouco dignas, criam um sentimento de insegurança que deve ser combatido, defendendo mais regulação e integração.