Covid-19: Estado de emergência salvaguarda liberdade de informação e cidadania

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 18 mar 2020 (Lusa) -- A liberdade de expressão e de informação ficam salvaguardadas com a declaração do estado de emergência, bem como os direitos à capacidade civil e cidadania, prevê o projeto de decreto presidencial hoje em debate no parlamento.

O projeto de decreto, que foi divulgado no "site" da Presidência da República, dispõe no seu artigo 5.º que os efeitos da declaração do estado de emergência não afetam, "em caso algum" as liberdades de expressão e de informação.

Os direitos à vida, à integridade pessoal, "à capacidade civil e à cidadania, à não retroatividade da lei criminal, à defesa dos arguidos e à liberdade de consciência e religião" também não são afetados pelo estado de emergência.

E, "em caso algum pode ser posto em causa o princípio do Estado unitário ou a continuidade territorial do Estado",. Refere o projeto de diploma.

Ainda no mesmo artigo, prevê-se que a Procuradoria-Geral da República e a Provedoria de Justiça "mantêm-se em sessão permanente".

O diploma está a ser debatido no parlamento, que terá de votar uma resolução para autorizar a declaração do estado de emergência, cabendo ao Presidente da República, em caso afirmativo, decretá-lo.

SF // JPS

Lusa/fim

+ notícias: Política

Marcelo Rebelo de Sousa: "A responsabilidade pelos membros do Governo é do primeiro-ministro"

Marcelo Rebelo de Sousa, pronunciou-se em relação à revogação do despacho do Ministro das Infraestruturas Pedro Nuno Santos e, entre a sua breve declaração aos jornalistas, disse que "a responsabilidade pelos membros do Governo é do primeiro-ministro". 

Marcelo: "Despacho revogado. É preciso uma solução clara, consistente e consensual o mais rápido possível"

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, foi o último a pronunciar-se relativamente à decisão de Pedro Nuno Santos na passada quarta-feira. Em declarações aos jornalistas na tarde desta quinta-feira, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou que perante um "despacho revogado" é preciso encontrar "uma solução clara, consistente e consensual o mais rápido possível" para que os "portugueses entendam que esta matéria tem futuro".

Joaquim Miranda Sarmento anuncia candidatura à liderança do grupo parlamentar

O deputado e economista Joaquim Miranda Sarmento anunciou hoje que é candidato à liderança do grupo parlamentar do PSD, dizendo querer "contribuir para a união" do partido.