Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Exército reforça com 250 militares apoio a vigilância e rescaldo

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 17 jul (Lusa) - O Exército reforçou hoje com mais 250 militares o apoio à proteção civil em ações de vigilância e rescaldo nos incêndios nas regiões de Mangualde, Alijó e Mirandela, anunciou hoje o Estado-Maior das Forças Armadas (EMGFA).

Em comunicado, o EMGFA referiu que foram hoje mobilizados "dez pelotões do Exército, com cerca de 250 militares e dezenas de viaturas, e quatro máquinas de rasto", no apoio a "ações de vigilância e rescaldo nos incêndios que têm fustigado o continente nas últimas horas".

Cinco pelotões e quatro máquinas de rasto foram enviados para a região de Alijó, três para a região de Mangualde e duas para Mirandela, acrescentou.

Na quinta-feira passada tinham sido mobilizados 200 militares para ações de patrulhamento e vigilância florestal nas zonas de maior índice de risco de incêndios, em dez distritos do país.

SF // JPS

Lusa/fim

+ notícias: País

Associação perplexa com organismo que recomenda suspensão da pesca da sardinha por 15 anos

O presidente da Associação de Produtores da Pesca do Cerco disse hoje estar "perplexo" com a recomendação do organismo científico sobre a suspensão da pesca da sardinha por 15 anos, considerando que é um "cenário apocalíptico" e injustificado.

Cresce a polémica em volta da chama 'lei da rolha' nas comunicações nos incêndios

Está instalada a polémica em torno da chamada 'lei da rolha'. A concentração das comunicações sobre os incêndios em Lisboa está a gerar criticas e desconforto. A Associação de Bombeiros Voluntários e a Liga Portuguesa de Bombeiros acusam a Autoridade Nacional de Proteção Civil de desrespeitar a classe. Mas a Proteção Civil rejeita que esteja a ser aplicada a chamada 'lei da rolha' e acrescenta que a metodologia diz apenas respeito aos comandantes do organismo.

Associações Quercus e Acréscimo: prevenção dos incêndios custaria 165 milhões ano, prejuízos custam mil milhões

A prevenção de incêndios florestais custaria por ano 165 milhões de euros, quando os prejuízos resultantes dos fogos causam um prejuízo de mil milhões, seis vezes mais, segundo as contas das associações Quercus e Acréscimo.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS