Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Proteção Civil diz que comunicações "nunca estiveram comprometidas" em Alijó

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 17 jul (Lusa) -- A Proteção Civil garantiu hoje que as comunicações SIRESP no incêndio do concelho de Alijó "nunca estiveram comprometidas", avançando que algumas das "intermitências pontuais" registadas no domingo nesta rede são comuns nos fogos de grande dimensão.

"Foram registadas algumas intermitências pontuais, todavia comuns a todos os teatros de operações de grande dimensão, para as quais a ANPC de imediato acionou, através da Secretaria-Geral da Administração Interna (SGMAI), uma estação móvel que já se encontrava preposicionada no Porto", refere a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), em comunicado.

Na nota, intitulada "incêndio rural em Alijó: intermitências no SIRESP", a ANPC adianta que as comunicações SIRESP (Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal) no combate ao incêndio do concelho de Alijó (Vila Real), que lavra desde a madrugada de domingo, "nunca estiveram comprometidas".

No entanto, destaca que o plano de comunicações da ANPC prevê "supletivamente a interligação entre os vários meios que operam no teatro de operações através da Rede Operacional dos Bombeiros (ROB)".

A ANPC refere ainda que, como medida de precaução, foi também preposicionada, no distrito de Viseu, outra estação móvel de comunicações que "poderá ser de imediato acionada, caso se justifique", em outro incêndio.

O incêndio que começou na madrugada de domingo em Alijó, chegou pelas 13:00 de hoje "ao perímetro" da aldeia de Santa Eugénia.

De acordo a Proteção Civil, o fogo estava hoje à tarde a ser combatido por oito meios aéreos, 433 homens e 131 viaturas.

CMP // HB

Lusa/fim

+ notícias: País

Associação perplexa com organismo que recomenda suspensão da pesca da sardinha por 15 anos

O presidente da Associação de Produtores da Pesca do Cerco disse hoje estar "perplexo" com a recomendação do organismo científico sobre a suspensão da pesca da sardinha por 15 anos, considerando que é um "cenário apocalíptico" e injustificado.

Cresce a polémica em volta da chama 'lei da rolha' nas comunicações nos incêndios

Está instalada a polémica em torno da chamada 'lei da rolha'. A concentração das comunicações sobre os incêndios em Lisboa está a gerar criticas e desconforto. A Associação de Bombeiros Voluntários e a Liga Portuguesa de Bombeiros acusam a Autoridade Nacional de Proteção Civil de desrespeitar a classe. Mas a Proteção Civil rejeita que esteja a ser aplicada a chamada 'lei da rolha' e acrescenta que a metodologia diz apenas respeito aos comandantes do organismo.

Associações Quercus e Acréscimo: prevenção dos incêndios custaria 165 milhões ano, prejuízos custam mil milhões

A prevenção de incêndios florestais custaria por ano 165 milhões de euros, quando os prejuízos resultantes dos fogos causam um prejuízo de mil milhões, seis vezes mais, segundo as contas das associações Quercus e Acréscimo.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS