Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Bombeiros sentem falta dos Governos Civis na prevenção e no combate

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 17 jul (Lusa) -- Associações de bombeiros voluntários e profissionais afirmam sentir falta dos Governos Civis na organização da Proteção Civil para a prevenção e combate aos incêndios, manifestando-se contra a extinção deste órgão da administração pública que existia em cada distrito.

"Passar as competências que eram do governador civil, no caso concreto da Proteção Civil, para o comandante distrital de operações de socorro [CODIS] é que, eventualmente, não foi a melhor opção", declarou à Lusa o presidente da Associação Portuguesa de Bombeiros Voluntários (APBV), Rui Silva.

No seu entender, a passagem das competências do governador civil para o comandante operacional distrital "acabou por ser um pouco artificial" e "carecia até de alguma atualização", uma vez que o CODIS "não tem competências políticas, tem só competências operacionais".

De acordo com Rui Silva, existe um défice na ligação entre o poder local, regional e central, porque com a extinção do governador civil desapareceu a figura ao nível político, que era "uma figura intermédia entra a administração local e a administração central".

"Entendíamos e continuámos a entender que os governadores civis, em termos políticos, em cada distrito, seriam e eram imprescindíveis na estrutura e na organização da Proteção Civil", afirmou à Lusa o presidente da Associação Nacional de Bombeiros Profissionais (ANBP), Fernando Curto, advogando que a ausência deste órgão da administração pública tem provocado "alguma desorganização" no âmbito de acionar meios e de organizar planos municipais e distritais de emergência.

Neste sentido, Fernando Curto considerou que os Governos Civis fazem "uma grande falta", o que se tem refletido na prevenção e combate aos incêndios: "Este ano é a prova evidente".

"O impacto é sempre grande, porque não havendo um decisor político intermédio entre a Câmara e o Governo é complicado. Quando há um incêndio onde estejam em causa mais que um município a situação política e a decisão é complicada, porque a decisão vem do Ministério da Administração Interna e do Governo", declarou.

Na perspetiva de Fernando Curto, atualmente "há uma distância muito grande" entre o poder local e o poder central, já quando havia o governador civil "essa distância era minimizada e a decisão era muito mais célere, era muito mais pronta e contribuiria de certa absoluta" para melhorar a prevenção e o combate aos incêndios.

"Era importante rever e repor a figura do governador civil enquanto decisor político e enquanto responsável em cada distrito", considerou o representante dos bombeiros profissionais.

Em declarações à Lusa, a ex-governadora civil de Faro e atual presidente da Câmara de Portimão, Isilda Gomes, afirmou que os Governos Civis fazem "imensa falta" para a coordenação política, sobretudo nas áreas da Segurança e da Proteção Civil.

A ausência dos governadores civis sente-se "ao longo de todo o ano", referiu Isilda Gomes, explicando que "o trabalho na área da Segurança e da Proteção Civil é contínuo, não é só um trabalho de verão, é um trabalho que se faz ao longo do ano inteiro".

"Oiço muitos comandantes referir-me, pessoalmente, que sentem essa ausência, alguns confidenciaram-me, inclusivamente, que se sentem de certo modo 'órfãos' [...], porque viam no governador civil uma figura política de coordenação ativa e efetiva", contou.

José Miguel Medeiros, antigo governador civil de Leiria e antigo secretário de Estado da Proteção Civil, disse à Lusa que foi "uma imprudência" a extinção dos Governos Civis, advogando que os territórios ficaram "sem interlocutores" para falar com o Governo central.

"Há todo um trabalho que deixou de ser feito e que não foi substituído por ninguém, portanto é natural que, em geral, todo o sistema estivesse mais frágil em todo o país", indicou José Miguel Medeiros, referindo que o governador civil "era um patamar que fazia toda a diferença", sobretudo na área dos incêndios, uma vez que tinham o poder de ativar os planos de emergência e de promover a mobilização e a articulação de recursos.

A extinção dos Governos Civis e a transferência das suas competências para outras entidades públicas foram aprovadas pelo Governo PSD/CDS-PP a 08 de setembro de 2011.

SYSM // ROC

Lusa/fim

+ notícias: País

Primeiro fim de semana de outono com temperaturas que podem chegar aos 30 graus

O primeiro fim de semana de outono vai ser marcado em Portugal continental por alguma nebulosidade, vento fraco e temperaturas máximas a variar entre os 20 e os 30 graus Celsius, adiantou hoje o meteorologista Bruno Café.

Mais de 5.000 mortos, mais de 15 mil milhões de prejuizos nas estradas, só nesta década

Desde o início desta década e até à semana passada morreram nas estradas portuguesas 5.424 pessoas, com os acidentes rodoviários a provocarem um prejuízo económico superior a 15 mil milhões de euros.

Portugueses retidos no estrangeiro devido à Ryanair obrigados a pagar alojamento enquanto esperam por outro voo

Dezenas de queixas de portugueses retidos no estrangeiro devido aos cancelamentos da Ryanair estão a chegar à DECO e a Autoridade Nacional de Aviação Civil. A estes passageiros está a ser cobrado o alojamento e a alimentação até ao dia do voo de regresso. Uma situação que em alguns casos dura vários dias.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

Nota Alta

"Todos nós estamos desenhados...