Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Bombeiros sentem falta dos Governos Civis na prevenção e no combate

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 17 jul (Lusa) -- Associações de bombeiros voluntários e profissionais afirmam sentir falta dos Governos Civis na organização da Proteção Civil para a prevenção e combate aos incêndios, manifestando-se contra a extinção deste órgão da administração pública que existia em cada distrito.

"Passar as competências que eram do governador civil, no caso concreto da Proteção Civil, para o comandante distrital de operações de socorro [CODIS] é que, eventualmente, não foi a melhor opção", declarou à Lusa o presidente da Associação Portuguesa de Bombeiros Voluntários (APBV), Rui Silva.

No seu entender, a passagem das competências do governador civil para o comandante operacional distrital "acabou por ser um pouco artificial" e "carecia até de alguma atualização", uma vez que o CODIS "não tem competências políticas, tem só competências operacionais".

De acordo com Rui Silva, existe um défice na ligação entre o poder local, regional e central, porque com a extinção do governador civil desapareceu a figura ao nível político, que era "uma figura intermédia entra a administração local e a administração central".

"Entendíamos e continuámos a entender que os governadores civis, em termos políticos, em cada distrito, seriam e eram imprescindíveis na estrutura e na organização da Proteção Civil", afirmou à Lusa o presidente da Associação Nacional de Bombeiros Profissionais (ANBP), Fernando Curto, advogando que a ausência deste órgão da administração pública tem provocado "alguma desorganização" no âmbito de acionar meios e de organizar planos municipais e distritais de emergência.

Neste sentido, Fernando Curto considerou que os Governos Civis fazem "uma grande falta", o que se tem refletido na prevenção e combate aos incêndios: "Este ano é a prova evidente".

"O impacto é sempre grande, porque não havendo um decisor político intermédio entre a Câmara e o Governo é complicado. Quando há um incêndio onde estejam em causa mais que um município a situação política e a decisão é complicada, porque a decisão vem do Ministério da Administração Interna e do Governo", declarou.

Na perspetiva de Fernando Curto, atualmente "há uma distância muito grande" entre o poder local e o poder central, já quando havia o governador civil "essa distância era minimizada e a decisão era muito mais célere, era muito mais pronta e contribuiria de certa absoluta" para melhorar a prevenção e o combate aos incêndios.

"Era importante rever e repor a figura do governador civil enquanto decisor político e enquanto responsável em cada distrito", considerou o representante dos bombeiros profissionais.

Em declarações à Lusa, a ex-governadora civil de Faro e atual presidente da Câmara de Portimão, Isilda Gomes, afirmou que os Governos Civis fazem "imensa falta" para a coordenação política, sobretudo nas áreas da Segurança e da Proteção Civil.

A ausência dos governadores civis sente-se "ao longo de todo o ano", referiu Isilda Gomes, explicando que "o trabalho na área da Segurança e da Proteção Civil é contínuo, não é só um trabalho de verão, é um trabalho que se faz ao longo do ano inteiro".

"Oiço muitos comandantes referir-me, pessoalmente, que sentem essa ausência, alguns confidenciaram-me, inclusivamente, que se sentem de certo modo 'órfãos' [...], porque viam no governador civil uma figura política de coordenação ativa e efetiva", contou.

José Miguel Medeiros, antigo governador civil de Leiria e antigo secretário de Estado da Proteção Civil, disse à Lusa que foi "uma imprudência" a extinção dos Governos Civis, advogando que os territórios ficaram "sem interlocutores" para falar com o Governo central.

"Há todo um trabalho que deixou de ser feito e que não foi substituído por ninguém, portanto é natural que, em geral, todo o sistema estivesse mais frágil em todo o país", indicou José Miguel Medeiros, referindo que o governador civil "era um patamar que fazia toda a diferença", sobretudo na área dos incêndios, uma vez que tinham o poder de ativar os planos de emergência e de promover a mobilização e a articulação de recursos.

A extinção dos Governos Civis e a transferência das suas competências para outras entidades públicas foram aprovadas pelo Governo PSD/CDS-PP a 08 de setembro de 2011.

SYSM // ROC

Lusa/fim

+ notícias: País

Associação perplexa com organismo que recomenda suspensão da pesca da sardinha por 15 anos

O presidente da Associação de Produtores da Pesca do Cerco disse hoje estar "perplexo" com a recomendação do organismo científico sobre a suspensão da pesca da sardinha por 15 anos, considerando que é um "cenário apocalíptico" e injustificado.

Cresce a polémica em volta da chama 'lei da rolha' nas comunicações nos incêndios

Está instalada a polémica em torno da chamada 'lei da rolha'. A concentração das comunicações sobre os incêndios em Lisboa está a gerar criticas e desconforto. A Associação de Bombeiros Voluntários e a Liga Portuguesa de Bombeiros acusam a Autoridade Nacional de Proteção Civil de desrespeitar a classe. Mas a Proteção Civil rejeita que esteja a ser aplicada a chamada 'lei da rolha' e acrescenta que a metodologia diz apenas respeito aos comandantes do organismo.

Associações Quercus e Acréscimo: prevenção dos incêndios custaria 165 milhões ano, prejuízos custam mil milhões

A prevenção de incêndios florestais custaria por ano 165 milhões de euros, quando os prejuízos resultantes dos fogos causam um prejuízo de mil milhões, seis vezes mais, segundo as contas das associações Quercus e Acréscimo.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS