"Novo governo vai ter de assumir" futuro da Ponte Maria Pia, defende Eduardo Vítor Rodrigues

"Novo governo vai ter de assumir" futuro da Ponte Maria Pia, defende Eduardo Vítor Rodrigues
| Porto
Porto Canal/Agências

O presidente da Câmara de Vila Nova de Gaia alertou esta segunda-feira para a necessidade de o próximo governo acertar o futuro da antiga ponte ferroviária Maria Pia, cuja intervenção foi estimada em 15 milhões de euros.

Em declarações aos jornalistas depois de no ponto prévio da reunião desta segunda-feira do município do distrito do Porto ter explicado o sentido das suas afirmações na última assembleia municipal em resposta a uma pergunta do público, Eduardo Vítor Rodrigues manifestou empenho em que haja uma solução, mas que é impensável o município assumir a fatura da obra.

“A demonstração do nosso empenho no assunto é que quer do lado do Porto quer do lado de Gaia toda a zona municipal de acesso à ponte está toda tratada. Só falta a ponte”, recordou o autarca socialista.

Para Eduardo Vítor Rodrigues a solução passa por “colocar as instituições a falar”, defendendo que o “novo governo vai ter de assumir isto de forma determinante, porque é uma obra de arte, é uma coisa importantíssima da identidade do município de Gaia e do Porto”.

Inaugurada em 1877 pela rainha que lhe deu o nome, a ponte Maria Pia é considerada a primeira grande obra de Gustavo Eiffel, tendo obtido um prémio internacional de engenharia.

Com 1.600 toneladas de ferro, foi laboratório de soluções técnicas inovadoras para a época, como a conceção de um tabuleiro de 54 metros sobre um arco único de 160 metros de corda.

“Estamos a falar de uma intervenção que ultrapassaria os 15 milhões de euros, fora a manutenção constante”, assinalou o autarca.

Questionado pela Lusa sobre há quanto tempo a Infraestruturas de Portugal (IP) não fala com os dois municípios sobre o assunto, o presidente da autarquia recordou que o assunto tramitou no primeiro mandato do ciclo autárquico” do PS à frente da câmara, “de 2013 a 2017”.

“Depois disso, a IP tentou que a ponte passasse para os municípios, e a posição dos municípios de Gaia e do Porto foi a de rejeitar”, prosseguiu Eduardo Vítor Rodrigues, defendendo que nenhum dos municípios “tem condições técnicas ou financeiras para assumir uma coisa daquela envergadura”.

Assegurando estarem “disponíveis para colaborar, até mesmo para comparticipar”, a situação muda quando o quadro passa para terem de “pagar integralmente”.

Questionado sobre a deterioração da ponte por falta de manutenção e sobre o perigo que isso poderá vir a constituir para os milhares de pessoas que diariamente passam por debaixo dela, o autarca reconheceu-o, mas alertou que isso “responsabiliza o dono da ponte”.

“O problema é que dos alertas que vamos fazendo somos sempre convidados a assumir e essa assunção ou é feita em parceria ou está fora de causa ser feita integralmente pelos municípios e esta é uma posição conjunta de Gaia e do Porto”, insistiu o autarca socialista.

+ notícias: Porto

O antigo quarteirão da Casa Forte mudou com o Porto

O antigo quarteirão da Casa Forte, no coração do Porto, ganhou o nome da loja da esquina voltada ao Mercado do Bolhão. A emblemática empresa da cidade viria a encerrar em 2004, paradoxalmente o ano da criação da Porto Vivo, Sociedade de Reabilitação Urbana, que lançou as bases da nova vida do quarteirão. Entre projetos, demolições e mudança de promotores imobiliários, só ao fim de quase 20 anos é que o espaço da cidade vai voltar a receber moradores. Numa viagem pela história, que resposta dá à cidade o novo Quarteirão da extinta Casa Forte?

“A ‘cidade-negócio’ vai-se descaracterizando completamente perdendo interesse até para turistas”

A histórica Mercearia do Bolhão, aberta no Porto desde 1880, vai encerrar portas a 30 de abril para dar lugar a uma loja da multinacional Ale-Hop, como avançou o Porto Canal na manhã desta sexta-feira. À esquerda, os vereadores da oposição da Câmara do Porto lamentam que a cidade se vá ‘descaracterizando’.

Neonia: o novo museu interativo e néon que ilumina a história do Porto

Sabia que em 1917, dois acrobatas subiram à Torre dos Clérigos sem qualquer equipamento de proteção para promover uma marca de bolachas? Apesar de já ter passado mais de um século, este é um entre os tantos acontecimentos lembrados no novo museu que abriu portas este sábado no coração do Porto. “O Neonia é uma pura homenagem à cidade”, sublinha um dos responsáveis.