Porto quer discutir futuro da ponte Maria Pia mas só com o novo Governo

Porto quer discutir futuro da ponte Maria Pia mas só com o novo Governo
| Porto
Porto Canal / Agências

A Câmara do Porto considerou esta quarta-feira que o futuro da antiga ponte ferroviária Maria Pia, que atravessa o rio Douro e está sem exploração há mais de 30 anos, deverá ser discutido com o próximo Governo, uma opinião partilhada pelo presidente da Câmara de Vila Nova de Gaia. Tal como o Porto Canal noticiou, o projeto de tornar utilizável o Ramal da Alfândega, apresentado em 2020, incluía também esta ponte. Mas em abril deste ano, o Ministério das Infraestruturas informou que o futuro da Maria Pia permanecia sem decisão e dependente da “análise conjunta” da Infraestruturas de Portugal (IP) e das duas câmaras.

 
 
 
Ver esta publicação no Instagram
 
 
 

Uma publicação partilhada por Porto Canal (@porto.canal)

 

Em resposta escrita enviada à agência Lusa, mostrando-se disponível para colaborar numa solução, a autarquia do Porto apontou que é o Governo o responsável pela infraestrutura.

“Estamos disponíveis para colaborar quer com Vila Nova de Gaia, quer com as Infraestruturas de Portugal (IP), com o intuito de reativar a ponte Maria Pia. Este tema deverá ser discutido com o próximo Governo, uma vez que aquela entidade é a responsável pela infraestrutura, e a sua posição em relação ao futuro da ponte certamente será determinante”, lê-se na resposta.

A ponte Maria Pia está sem exploração há mais de 30 anos, e a IP garantiu na terça-feira, também em resposta à Lusa, que esta estrutura tem sido alvo de inspeções, bem como de intervenções de manutenção “de forma a assegurar a integridade dos principais elementos que [a] constituem”.

Adicionalmente, a empresa apontou que tem analisado, em conjunto com as Câmaras do Porto e de Vila Nova de Gaia, a utilização futura da ponte como via pedonal e ciclável.

“Está em vigor um contrato de subconcessão celebrado com o Município do Porto para adaptação e utilização da plataforma do Ramal da Alfândega, entre os quilómetros 0,491 e 3,359, para fins dos modos suaves de mobilidade, turísticos e/ou lazer, estando prevista, na sequência desse projeto, a análise conjunta pela IP e pelos Municípios de Gaia e do Porto da utilização futura da Ponte Maria Pia como via pedonal e ciclável”, lê-se na resposta.

O presidente da Câmara de Vila Nova de Gaia alertou na segunda-feira para a necessidade de o próximo governo acertar o futuro da antiga ponte ferroviária Maria Pia, cuja intervenção foi estimada em 15 milhões de euros.

Em declarações aos jornalistas depois de no ponto prévio da reunião de câmara de segunda-feira do município do distrito do Porto ter explicado o sentido das suas afirmações na última assembleia municipal em resposta a uma pergunta do público, Eduardo Vítor Rodrigues manifestou empenho em que haja uma solução, mas que é impensável o município assumir a fatura da obra.

“A demonstração do nosso empenho no assunto é que quer do lado do Porto quer do lado de Gaia toda a zona municipal de acesso à ponte está toda tratada. Só falta a ponte”, recordou o autarca socialista.

Para Eduardo Vítor Rodrigues a solução passa por “colocar as instituições a falar”, defendendo que o “novo governo vai ter de assumir o assunto de forma determinante, porque é uma obra de arte, é uma coisa importantíssima da identidade do município de Gaia e do Porto”.

Questionado pela Lusa sobre há quanto tempo a IP não fala com os dois municípios sobre o assunto, o presidente da autarquia recordou que o assunto tramitou no primeiro mandato do ciclo autárquico” do PS à frente da câmara, “de 2013 a 2017”.

Inaugurada em 1877 pela rainha que lhe deu o nome, a ponte Maria Pia é considerada a primeira grande obra de Gustavo Eiffel, tendo obtido um prémio internacional de engenharia.

Com 1.600 toneladas de ferro, foi laboratório de soluções técnicas inovadoras para a época, como a conceção de um tabuleiro de 54 metros sobre um arco único de 160 metros de corda.

+ notícias: Porto

Linha Amarela da Metro do Porto condicionada até junho na Ponte Luís I

A operação da Linha Amarela da Metro do Porto, que liga o Hospital S. João a Santo Ovídio, estará condicionada até o segundo dia de junho, para trabalhos de manutenção na Ponte Luís I, confirmou fonte da empresa ao Porto Canal. Contudo, a intervenção na travessia não gera transtornos em horários de pico da operação, uma vez que esta decorre em horário noturno.

Incêndio em colégio no Porto já está extinto

O incêndio que deflagrou ao início da tarde de deste domingo no Colégio Flori, no Porto, "já está extinto" e em fase de rescaldo e ventilação, adiantaram ao Porto Canal as autoridades.

Last Folio: as duras memórias do Holocausto 

O Museu e Igreja da Misericórdia do Porto acolhem a exposição internacional LAST FOLIO acompanhada por um documentário, que mostra as memórias do Holocausto. A exposição do fotógrafo Yuri Dojc e da cineasta Katya Krausova, pode ser visitada até novembro.