“Melhorar? Só se for para 2025 ou 2026”. UNIR entra no novo ano com o pé esquerdo

“Melhorar? Só se for para 2025 ou 2026”. UNIR entra no novo ano com o pé esquerdo
| Porto
Maria Leonor Coelho

Um mês depois do arranque das operações da rede UNIR, as queixas dos utilizadores continuam a multiplicar-se, sobretudo no que diz respeito aos horários.

Nem a entrada do ano novo, trouxe uma ‘vida nova’ para a rede metropolitana de transportes. Após um período mais calmo durante as férias escolares, o caos voltou a instalar-se durante o primeiro dia de aulas de 2024.

De acordo com o testemunho de alguns utilizadores, o principal problema é o cumprimento de horários. “A gente continua muito tempo à espera, eles disseram que iam regularizar isto a partir de janeiro, mas continua tudo igual”, revela fonte ao Porto Canal.

Por volta das 17h00, dezenas de gondomarenses começavam a formar fila no Terminal de Campanhã, na esperança de que o autocarro aparecesse. “De manhã já se notou uma ligeira melhora, a esta hora não, já estou aqui desde as 16h30 e nada”, denuncia uma utilizadora.

Entre os utentes há consenso: 2024 não acabou com a dor de cabeça da UNIR. “Não estão a melhorar nada, não temos horário para chegar ao trabalho, não temos horário para chegar a casa”, contam.

Com os ponteiros a aproximarem-se das 18h00, vive-se um cenário semelhante no Terminal das Camélias. O último autocarro para São João da Madeira tinha partido há cerca de uma hora e a fila para o próximo já fazia curva até ao final do recinto.

“Antes os autocarros apareciam, ficavam cheios, mas apareciam e agora não aparecem”, denuncia uma jovem sanjoanense que depende do serviço da UNIR para chegar a tempo às aulas.

As queixas acrescem e os utentes parecem ficar sem solução. Já há mesmo quem chegue a equacionar investir numa viatura: “estou a ver que tenho que voltar às origens, comprar novamente carro porque não adianta de nada… isto é uma pouca vergonha”.

Recorde-se que aquando do lançamento do concurso público para a nova rede de autocarros da Área Metropolitana do Porto (AMP), a UNIR era apontada como uma ‘revolução’ no transporte rodoviário de passageiros na região.

Desde o início das operações, a 01 de dezembro, até agora, a rede de transportes tem sido alvo de constantes críticas por parte dos utilizadores.

 
 
 
Ver esta publicação no Instagram
 
 
 

Uma publicação partilhada por Porto Canal (@porto.canal)

+ notícias: Porto

O antigo quarteirão da Casa Forte mudou com o Porto

O antigo quarteirão da Casa Forte, no coração do Porto, ganhou o nome da loja da esquina voltada ao Mercado do Bolhão. A emblemática empresa da cidade viria a encerrar em 2004, paradoxalmente o ano da criação da Porto Vivo, Sociedade de Reabilitação Urbana, que lançou as bases da nova vida do quarteirão. Entre projetos, demolições e mudança de promotores imobiliários, só ao fim de quase 20 anos é que o espaço da cidade vai voltar a receber moradores. Numa viagem pela história, que resposta dá à cidade o novo Quarteirão da extinta Casa Forte?

“A ‘cidade-negócio’ vai-se descaracterizando completamente perdendo interesse até para turistas”

A histórica Mercearia do Bolhão, aberta no Porto desde 1880, vai encerrar portas a 30 de abril para dar lugar a uma loja da multinacional Ale-Hop, como avançou o Porto Canal na manhã desta sexta-feira. À esquerda, os vereadores da oposição da Câmara do Porto lamentam que a cidade se vá ‘descaracterizando’.

Mercearia mais antiga do Porto vai fechar para dar lugar a Ale-Hop

A Mercearia do Bolhão, a mais antiga da cidade do Porto, vai fechar a 30 de abril, depois de 144 anos de atividade no coração da baixa portuense. No seu lugar, vai abrir uma loja da cadeia espanhola Ale-Hop, confirmou em exclusivo ao Porto Canal o proprietário do espaço, Alberto Rodrigues.