Álvaro Siza: “Choca-me é se o Mercado de São Sebastião não for demolido”

Álvaro Siza: “Choca-me é se o Mercado de São Sebastião não for demolido”
Foto: Pedro Benjamim | Porto Canal
| Porto
Ana Francisca Gomes

Álvaro Siza considera que seria um “choque” se o destino do Mercado de São Sebastião, na Sé do Porto, não passasse pela demolição do edifício. Para o arquiteto que já desenhou dois planos para a Avenida da Ponte, o mercado não deveria ter sido feito naquela zona, para onde aponta a necessidade da construção de mais habitação.

Foi no final de julho que o executivo da Câmara Municipal do Porto aprovou o encerramento definitivo do mercado e a atribuição de uma indemnização às cinco comerciantes que lá trabalhavam. O edifício municipal, cuja demolição a autarquia confirmou em exclusivo ao Porto Canal, esteve sem uso nos últimos três meses.

Mas ainda antes de o destino do edifício ser tornado público, no número 53 da rua do Aleixo já o arquiteto Álvaro Siza Vieira antevia o futuro. “A mim choca-me é se [o mercado] não for demolido”, afirmou em entrevista ao Porto Canal.

 
 
 
Ver esta publicação no Instagram
 
 
 

Uma publicação partilhada por Porto Canal (@porto.canal)

Num recuo até aos anos 80, o primeiro pritzker português partilhou que chegou a ser convidado para desenhar o projeto, mas um estudo da envolvência rapidamente o fez perceber que não era o indicado para o local. Porquê? “Porque fica mal, como está à vista. E, sendo aquilo a avenida de entrada na cidade desde o século XIX, não é um mercado que se devia pôr ali. Devia haver um contínuo construído. Eu disse ‘não faço, não concordo’. E chamaram outro arquiteto e fizeram, e o resultado está à vista, há muitos anos”.

O mercado mantinha-se aberto nas manhãs de terça a sábado, mas poucos eram os visitantes nos últimos anos. Às cinco comerciantes que por lá resistiam valia-lhes algumas freguesas amigas e um ou outro turista curioso.

A estrutura física, como hoje a vemos, foi projetada pelo arquiteto António Moura em 1986 e sofreu uma reestruturação em 1995. O mercado junto à Sé, contudo, é bem mais velho do que isso. Aquele que agora conhecemos é, na verdade, herdeiro de um dos mais antigos centros de comércio da cidade do Porto: o antigo Mercado de Levante da Rua Escura. Este mercado ambulante, que ladeava a Sé, estendia-se pela Rua Escura e também pela Rua de S. Sebastião, e nele foram sendo progressivamente instaladas barracas provisórias.

Porto Canal

Hélder Pacheco e Germano Silva no Mercado da Rua Escura, nos anos 80. Foto: Arquivo Municipal do Porto

Um mercado que “nunca quis fazer cidade”

Para o arquitecto Nuno Grande, a explicação para o insucesso deste espaço comercial é simples: “Aquele mercado nunca quis fazer cidade”. Ao contrário do Bolhão, que está inserido na malha urbana da cidade, o Mercado de São Sebastião foi colocado isoladamente naquela zona da Sé.

“Nós podemos atravessar o Mercado do Bolhão sem fazermos compras. É um quarteirão urbano que cria acessibilidades e cria cruzamentos. O Mercado de São Sebastião está um pouco escondido, a cobertura é verde para se disfarçar no meio dos terraços verdes”, explica.

Durante os anos 30 e 40, a Sé do Porto sofreu um conjunto de demolições que deixou aquela zona com espaços abertos sem qualquer edificado. Um vazio urbano que está relacionado com a necessidade da construção de uma via que ligasse o tabuleiro superior da Ponte Luiz I e a Estação de S. Bento. Assim nasceu a Avenida Dom Afonso Henriques, conhecida na cidade como a ‘Avenida da Ponte’.

Ficou ali uma cratera sem qualquer edificado entre a Rua do Corpo da Guarda e a Sé do Porto. O Mercado de São Sebastião surge ali no meio, perdido. Muitos arquitetos desenharam planos para preencher aquele vazio, inclusive Álvaro Siza, que foi autor de um primeiro plano em 1968 e outro em 2000. Nuno Grande explica que o mercado foi posto ali “enquanto não se decidia o que lá fazer”.

Porto Canal

Construção do mercado, durante os anos 80. Foto: Arquivo Histórico Municipal do Porto

Para Manuel Correia Fernandes, antigo vereador com o pelouro do Urbanismo durante o primeiro mandato de Rui Moreira, eleito pelo PS, a desativação deste mercado pode ser “uma oportunidade” para se voltar a falar do que se deve fazer com aquela “ferida” que ficou aberta pelas demolições dos anos 40.

O mais importante, disse o arquiteto ao Porto Canal antes de ser conhecida a decisão da câmara, é que não seja lá feita nenhuma intervenção isolada, mas que se recupere um dos planos feitos para a Avenida da Ponte e que o destino do mercado esteja inserido numa operação maior.

“Aquilo está, como nós sabemos, sem plano. E não havendo um plano de referência, qualquer intervenção corre o risco de não ser boa e estamos a criar uma cultura de ‘casolismo’ - que é uma coisa muito grave do ponto de vista da estruturação das cidades. Uma cultura de caso a caso.”

Correia Fernandes relembra ainda que se foram “colecionando” vários planos para o “problema da Avenida da Ponte”, mas que, ao não ser executado nenhum, “ficou um rasgão, uma ferida que continua aberta”.

 

 
 
 
Ver esta publicação no Instagram
 
 
 

Uma publicação partilhada por Porto Canal (@porto.canal)

 

Um exemplo de brutalismo na invicta

Na cidade do Porto, o Mercado de São Sebastião é considerado um dos raros exemplos de brutalismo, um estilo arquitetónico em que os edifícios são construídos com desenhos simples, diretos e funcionais. O mercado da Sé está, aliás, identificado numa base de dados online - o portal SOS Brutalism - que sinaliza edifícios brutalistas e perigo de demolição.

Para Magda Seifert, autora do livro “Porto Brutalista”, o mercado é” um objeto de arquitetura absolutamente integrado na topografia da Avenida da Ponte”, mas isso não significa que ainda faça sentido naquele local.

“[A falta de clientes] tem a ver com o facto de haver uma grande deterioração do tecido da população da Sé, uma gentrificação, uma turistificação daquela zona, o que faz com que certos edifícios como um mercado deixe de fazer sentido porque a população também já não precisa deles”.

Apesar de considerar o mercado “uma peça de arquitetura interessante”, a arquitetura reconhece que “não pode existir sem haver uma razão”.

“A musealização do património construído também não é saudável para as próprias cidades, ou seja, quando elas são feitas apenas turistas … não é o suficiente para as cidades viverem. Os tempos devem evoluir, não precisamos de ficar estanques. É normal que os edifícios sejam demolidos e que passem a ser outras coisas.”

+ notícias: Porto

Trânsito no Porto. Confira os locais a evitar esta segunda-feira

O trânsito ao final da tarde desta segunda-feira faz-se sentir principalmente no acesso à cidade do Porto pela Avenida AEP.

Incêndio em colégio no Porto já está extinto

O incêndio que deflagrou ao início da tarde de deste domingo no Colégio Flori, no Porto, "já está extinto" e em fase de rescaldo e ventilação, adiantaram ao Porto Canal as autoridades.

Last Folio: as duras memórias do Holocausto 

O Museu e Igreja da Misericórdia do Porto acolhem a exposição internacional LAST FOLIO acompanhada por um documentário, que mostra as memórias do Holocausto. A exposição do fotógrafo Yuri Dojc e da cineasta Katya Krausova, pode ser visitada até novembro.