Presidente do Hospital São João acredita que novo modelo do SNS vai permitir "mais proximidade ao utente"

Foto: Pedro Benjamim | Porto Canal
| Porto
Porto Canal

Maria João Batista assumiu a presidência do Hospital São João há oito meses. Esta quinta-feira, deu a sua primeira entrevista desde então a um canal de televisão, o Porto Canal. 

A médica está à frente da administração do Centro Hospitalar de São João, mas continua a exercer medicina e considera que a experiência faz de si um elemento que acrescenta mais valor ao concelho de administração. 

Contudo, Maria João Batista reconhece que existem obstáculos a enfrentar de forma a garantir que todos os utentes recebem os melhores cuidados, sem exceção. 

"A maior dificuldade em gestão de saúde é sermos totalmente equitativos", explica. 

Ainda assim, esse está longe de ser o único problema que identifica na área. Os médicos continuam a exigir melhores condições de trabalho e já há novas greves anunciadas. A administradora do são João defende a classe, mas acrescenta que existem também outros profissionais do SNS que precisam de ser valorizados.

Sobre o novo modelo do SNS, que cria 39 Unidades de Saúde Locais, Maria João Batista sublinha o contributo do São João para a eleboração deste novo plano e realça que irá permitir  "mais proximidade e acompanhamento transversal ao utente" e que  "um dos grandes objetivos é centralizar a informação do utente numa única estrutura".

Estes e outros temas para ver na entrevista exclusiva de Maria João Batista ao Porto Canal, conduzida por Estela Machado:

+ notícias: Porto

Ramal da Alfândega começa a ser pavimentado este ano para peões e bicicletas

O Ramal da Alfândega será pavimentado para utilização pedonal e por bicicleta, surgindo mais tarde uma resposta de transporte coletivo, numa solução “em dois tempos”, avança o vereador do urbanismo da Câmara do Porto, em declarações ao Porto Canal.

Sem-abrigo encontrado morto na Praça da República, no Porto

Um homem em situação de sem-abrigo foi encontrado morto, na tarde desta quarta-feira, no jardim da Praça da República, no Porto.

Docentes e investigadores da Universidade do Porto exigem corte de relações com Israel

Docentes, investigadoras e investigadores da Universidade do Porto (UP) exigiram esta quarta-feira àquela academia que não tenha relacionamento com o Estado de Israel nem com empresas e instituições israelitas envolvidas na guerra contra o povo palestiniano.