Universidade Fernando Pessoa, no Porto, vai ter de explicar irregularidades na aprovação do curso de Medicina

Universidade Fernando Pessoa, no Porto, vai ter de explicar irregularidades na aprovação do curso de Medicina
| Porto
Porto Canal

A Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES) quer um “cabal esclarecimento” da Universidade Fernando Pessoa (UFP) sobre a “utilização abusiva” de nomes de médicos para a aprovação do curso de Medicina da instituição privada. Segundo uma investigação avançada pelo jornal Público, há médicos apontados na candidatura como “orientadores de estágios” ou “formadores” que não foram contactados nem sabiam da inclusão da candidatura da Fernando Pessoa.

O caso começou há mais de uma semana, quando o Público encontrou quatro clínicos que dizem não ter tido “em algum momento contratos de prestação de serviço com o hospital da Fundação Fernando Pessoa, em Gondomar”, e que não deram consentimento para que os seus nomes estivessem nas listas da universidade. A Ordem dos Médicos abriu uma investigação interna para perceber quantos médicos surgem na candidatura da UFP sem terem dado a devida autorização.

Segundo um comunicado divulgado esta segunda-feira, a A3ES diz que vai exigir um esclarecimento imediato à UFP, defende que o processo de acreditação da universidade privada tem sido “normal” até agora, e garante que a UFP não teve comportamentos que suscitassem dúvidas até ao momento.

A autorização de funcionamento do novo curso de Medicina da UFP é válida por um ano e pode ser revalidado por outros três se se comprovar que a instituição de ensino cumpre um conjunto de requisitos.

+ notícias: Porto

O antigo quarteirão da Casa Forte mudou com o Porto

O antigo quarteirão da Casa Forte, no coração do Porto, ganhou o nome da loja da esquina voltada ao Mercado do Bolhão. A emblemática empresa da cidade viria a encerrar em 2004, paradoxalmente o ano da criação da Porto Vivo, Sociedade de Reabilitação Urbana, que lançou as bases da nova vida do quarteirão. Entre projetos, demolições e mudança de promotores imobiliários, só ao fim de quase 20 anos é que o espaço da cidade vai voltar a receber moradores. Numa viagem pela história, que resposta dá à cidade o novo Quarteirão da extinta Casa Forte?

“A ‘cidade-negócio’ vai-se descaracterizando completamente perdendo interesse até para turistas”

A histórica Mercearia do Bolhão, aberta no Porto desde 1880, vai encerrar portas a 30 de abril para dar lugar a uma loja da multinacional Ale-Hop, como avançou o Porto Canal na manhã desta sexta-feira. À esquerda, os vereadores da oposição da Câmara do Porto lamentam que a cidade se vá ‘descaracterizando’.

Fecha a Mercearia do Bolhão. Vai o Porto tornar-se numa “cidade como outra qualquer”?

A histórica Mercearia do Bolhão, aberta no Porto desde 1880, vai encerrar portas a 30 de abril para dar lugar a uma loja da multinacional Ale-Hop, como avançou o Porto Canal na manhã desta sexta-feira. José Rio Fernandes, geógrafo e professor da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, considera que Portugal deveria ser “menos liberal em relação ao comércio” e que os municípios deveriam ter mais poder no que diz respeito à ordenação do seu território.