Universidade Fernando Pessoa usou nomes de médicos sem consentimento para aprovar curso de Medicina

| Porto
Porto Canal

A Universidade Fernando Pessoa indicou à Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES) nomes de médicos que não concordaram em ser orientadores dos estudantes do novo curso de Medicina, recentemente aprovado. 

Além disso, de acordo com o jornal Público, o presidente da comissão que deu "luz verde" ao curso assinou, quando liderava o Instituto Nacional de Medicina Legal, um acordo de parceria com a universidade que foi depois usado na candidatura que teve de avaliar. 

Em reposta a Universidade Fernando Pessoa contradiz-se. A instituição diz que só serão convidados os docentes orientadores "após a celebração do contrato de prestação de serviços de formação clínica com cada uma das unidades de saúde protocoladas e constantes da candidatura e com as outras que, acreditado o curso, se disponibilizarem, de imediato, para assinar também esse contrato". 

No entanto, na proposta analisada pela A3ES os médicos já estão claramente identificados pelo nome profissional e especialidade médica. Alguns deles são antigos prestadores de serviços do Hospital-Escola de Gondomar.

O curso de Medicina da Universidade Fernando Pessoa recebeu acreditação em janeiro de 2023, depois de duas tentativas falhadas em 2010 e 2012.

+ notícias: Porto

O antigo quarteirão da Casa Forte mudou com o Porto

O antigo quarteirão da Casa Forte, no coração do Porto, ganhou o nome da loja da esquina voltada ao Mercado do Bolhão. A emblemática empresa da cidade viria a encerrar em 2004, paradoxalmente o ano da criação da Porto Vivo, Sociedade de Reabilitação Urbana, que lançou as bases da nova vida do quarteirão. Entre projetos, demolições e mudança de promotores imobiliários, só ao fim de quase 20 anos é que o espaço da cidade vai voltar a receber moradores. Numa viagem pela história, que resposta dá à cidade o novo Quarteirão da extinta Casa Forte?

“A ‘cidade-negócio’ vai-se descaracterizando completamente perdendo interesse até para turistas”

A histórica Mercearia do Bolhão, aberta no Porto desde 1880, vai encerrar portas a 30 de abril para dar lugar a uma loja da multinacional Ale-Hop, como avançou o Porto Canal na manhã desta sexta-feira. À esquerda, os vereadores da oposição da Câmara do Porto lamentam que a cidade se vá ‘descaracterizando’.

Fecha a Mercearia do Bolhão. Vai o Porto tornar-se numa “cidade como outra qualquer”?

A histórica Mercearia do Bolhão, aberta no Porto desde 1880, vai encerrar portas a 30 de abril para dar lugar a uma loja da multinacional Ale-Hop, como avançou o Porto Canal na manhã desta sexta-feira. José Rio Fernandes, geógrafo e professor da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, considera que Portugal deveria ser “menos liberal em relação ao comércio” e que os municípios deveriam ter mais poder no que diz respeito à ordenação do seu território.