Processo E-toupeira tem leitura do acórdão marcada para este segunda-feira

Processo E-toupeira tem leitura do acórdão marcada para este segunda-feira
| Desporto
Porto Canal / Agências

O acórdão do processo E-toupeira, que tem como arguidos o ex-assessor jurídico do Benfica Paulo Gonçalves e os funcionários judiciais José Augusto Silva e Júlio Loureiro, é conhecido esta segunda-feira no Juízo Central Criminal de Lisboa.

Cerca de um ano e cinco meses depois do início do julgamento, em 29 de setembro de 2021, o ex-assessor jurídico do Benfica Paulo Gonçalves e os funcionários judiciais José Augusto Silva e Júlio Loureiro vão finalmente conhecer a decisão do tribunal, que chegou a estar agendada para 4 de novembro de 2022, 9, 23 e 25 de janeiro, mas foi sempre adiada, no caso da última data devido à greve dos oficiais de justiça.

Após sucessivos adiamentos o caso deverá conhecer esta segunda-feira a decisão. Recorde aqui todo o processo, que nasceu a 6 de março de 2018, quando a Polícia Judiciária confirmou a detenção de Paulo Gonçalves sob suspeita de ter subornado três funcionários judiciais para lhe fornecerem dados processuais sigilosos.

Nas alegações finais realizadas em 13 de julho, o procurador Luís Ribeiro defendeu que os três arguidos deveriam ser condenados, embora sem definir a duração das penas. O magistrado do MP alegou então que “à atuação de Júlio Loureiro, em conjunto com José Augusto Silva, correspondeu como contrapartida de Paulo Gonçalves um tratamento preferencial, consubstanciado em bilhetes, convites, acesso ao parqueamento e ‘merchandising’ do clube”.

“Espera-se que seja proferida decisão condenatória”, salientou o procurador, notando relativamente ao antigo assessor jurídico dos ‘encarnados’ e ao funcionário José Augusto Silva “o elevado grau de ilicitude” e as “elevadas exigências de prevenção geral”. Já em relação ao funcionário Júlio Loureiro, Luís Ribeiro assumiu ter havido uma “intervenção mais limitada”.

As defesas dos arguidos refutaram a maioria dos crimes imputados e pediram a absolvição. Para o advogado do ex-dirigente do Benfica, Tiago Rodrigues Bastos, o caso E-toupeira é “uma mão cheia de nada”, aludindo a “prova proibida” e à declaração de inconstitucionalidade da designada Lei dos Metadados, proferida em abril de 2022 pelo Tribunal Constitucional.

Rui Pedro Pinheiro, advogado de Júlio Loureiro, reiterou também a inocência do funcionário judicial neste processo, sublinhando que “não há nada com relevância criminal”. Já o advogado Paulo Gomes, mandatário de José Augusto Silva, admitiu uma eventual condenação, mas realçou o caráter do funcionário judicial e a sua integração na sociedade.

Paulo Gonçalves, antigo assessor jurídico da SAD do Benfica, está acusado de seis crimes de violação do segredo de justiça, 21 de violação de segredo por funcionário, nove de acesso indevido, nove de violação do dever de sigilo, em coautoria, além de um crime de corrupção ativa, dois de acesso indevido e dois de violação do dever de sigilo.

O funcionário judicial Júlio Loureiro está acusado de um crime de corrupção passiva, enquanto o funcionário judicial José Augusto Silva responde por um crime de corrupção passiva, seis de violação do segredo de justiça, 21 de violação de segredo por funcionário, nove de acesso indevido, nove de violação do dever de sigilo, 28 de acesso ilegítimo e um de peculato.

O caso E-toupeira remonta a 2018, quando o MP acusou os dois funcionários judiciais, Paulo Gonçalves e a SAD do Benfica de vários crimes. Contudo, em dezembro desse ano, a decisão instrutória acabou por não pronunciar para julgamento a SAD ‘encarnada’.

+ notícias: Desporto

Euro2024. Já é conhecido o árbitro para o último jogo de Portugal no grupo F

A UEFA já definiu a equipa de arbitragem para apitar o último jogo de Portugal no grupo F do Euro 2024, depois de a seleção portuguesa ter garantido o apuramento para a próxima fase da competição.

FC Porto Vintage andebol sagra-se campeão europeu

O FC Porto Vintage sagrou-se campeão europeu de andebol ao conquistar a variante de +35 anos do EHF Masters Handball Championships, competição que decorreu entre quinta-feira e este domingo no Pavilhão Multiusos de Paredes.

Jogador abandona Escócia-Hungria depois de ter perdido os sentidos

A segunda parte do Escócia-Hungria ficou marcado pelo choque violento entre Barnabás Varga e o guarda-redes da Escócia Gulacsi, aos 70 minutos de jogo. O atleta húngaro perdeu os sentidos e teve de abandonar o estádio transportado numa maca.