Plano de Urbanização. O que está a ser pensado para Campanhã?

| Porto
Porto Canal

“O Plano de Urbanização de Campanhã representa uma verdadeira revolução urbanística”. Este é o mote de Rui Moreira, ao apresentar o projeto que pretende gerar uma “nova centralidade capaz de resgatar a zona oriental de décadas de abandono, decadência e descaracterização”.

Nesse sentido, o que está a ser pensado para a zona de Campanhã promete torná-la “irreconhecível”, através de uma “ampla intervenção urbanística” e de “profundas alterações”.

Porto Canal

Mas, na prática, o que é que poderá vir a acontecer em Campanhã?

O Plano de Urbanização de Campanhã vem de mãos dadas com o projeto ferroviário de Alta Velocidade, mas, até avançar, ainda faltam alguns meses. De acordo com o vereador da Câmara Municipal do Porto, Pedro Baganha, ainda faltam “12 a 24 meses para terminar o plano de urbanização”, que foi apresentado esta quarta-feira. “Ele não está fechado. Inicia-se agora. Até para dar a oportunidade à participação dos cidadãos e a toda a tramitação”.

Ao volante do projeto está o arquiteto catalão Joan Busquets, que em entrevista ao Porto Canal, revela que o “projeto acaba em outubro”. Fala na data como “uma etapa interessante, porque depois deste projeto, há que fazer o túnel, há que fazer o concurso para todo o sistema ferroviário, por isso é importante definir datas”.

Na apresentação do Plano de Urbanização de Campanhã, o arquiteto avançou com alguns esboços do que poderá estar a ser pensado para concretizar a “revolução urbanística” de que a autarquia fala e que vai deixar o território que circunda a Estação de Campanhã “irreconhecível”.

Novo túnel em Campanhã

Um dos pontos pensados para fazer também parte do plano urbanístico, de acordo com Pedro Baganha, é a criação de um túnel rodoviário “na continuação da rua do Godim, a sul da Avenida 25 de abril, que passa por baixo da ferrovia e que permite fechar o tal anel de distribuição rodoviário”.

“Na verdade, não é um túnel, porque usa a rua que existe ao lado do Oriente 2000. Continua-se esta rua, passa debaixo da ferrovia, e é o que chamamos um túnel, porque passa debaixo da ferrovia”, diz o arquiteto. Busquets adianta que “simplesmente é continuar a rua que existe neste momento e, do outro lado, vai parar na entrada do TIC”.

“Não é um túnel muito complicado, porque é a prolongação de uma rua existente, e isso sim permite claramente uma conexão, muito fácil e muito direta, entre o lado Poente e Nascente. Este é um elemento muito importante porque automóveis que venham do Porto e vão para a estação de alta Velocidade vão passar por esta rua, que permite um acesso muito direto”, diz Joan Busquets.

O “anel híbrido”

Uma das prioridades na execução do plano – e um dos principais problemas que a zona de Campanhã enfrenta neste momento – prende-se com a mobilidade.

Nesse sentido, uma das soluções possíveis e que foi apresentada pelo arquiteto do projeto, Joan Busquets, passa pela criação de um “anel híbrido” que, de acordo com o vereador do urbanismo, se trata de um “conjunto de arruamentos existentes e propostos que vão constituir, no fundo, uma nova forma de distribuição do tráfego automóvel à volta da estação, resolvendo dessa forma o efeito barreira”.

“Estação de duas faces”

Outra alteração no território em torno da estação de Campanhã e que está assinalado no esboço do arquiteto responsável pelo projeto é “uma estação de duas faces”, referida por Pedro Baganha.

“A estação só tem uma cara, que se virava para a cidade que estava construída, a ocidente. Mas hoje temos muito mais cidade também para oriente de Campanhã. Esta é a oportunidade de passarmos a ter uma estação não só de uma só face, mas de duas”, referiu.

Nesse sentido, de acordo com o vereador, “o que está a ser proposto é um edifício ponte, uma estação ferroviária por cima das linhas de caminho-de-ferro, com uma nova fachada. Uma nova gare, uma nova porta virada a oriente, ao nó da Bonjóia.”

A nova ponte, que vai atravessar as vias ferroviárias vai nascer, anunciou ao Porto Canal Joan Busquets, “ao lado do edifício histórico, antigo, da estação a poente e isso permite dar um acesso desde a praça atual da estação de Campanhã. Do outro lado aparecerá uma nova praça, que irá ter um acesso direto – do ponto de vista dos automóveis – terá um acesso direto desde a circular interior, onde haverá um estacionamento para bicicletas, para automóveis. De forma independente dos elementos que já existem.”

Desta forma, revela o arquiteto, “as pessoas que vão apanhar o metro entram do lado poente e através desta ponte vai fazer-se o acesso à parte da Alta Velocidade”.

+ notícias: Porto

Gato morre durante incêndio em apartamento em Paranhos

Um apartamento na Rua Dr. Eduardo Santos Silva, em Paranhos, no distrito do Porto, foi atingido por um incêndio ao início da manhã deste sábado, confirmou ao Porto Canal fonte do Regimento de Sapadores do Porto. Ao que o Porto Canal apurou, o fogo começou no exaustor da cozinha, desconhecendo-se, no entanto, as causas que provocaram o mesmo.

Trabalhador da Câmara de Gondomar está desaparecido desde quinta-feira

Um homem de 40 anos, André Pinto, encontra-se desaparecido desde esta quinta-feira no Porto.

Edifício onde mataram Gisberta volta a ganhar forma na segunda metade do ano

O edifício onde mataram Gisberta Salce Júnior, em 2006, desapareceu. A estrutura de betão foi demolida e o empreendimento passa agora para uma nova fase. As obras de estrutura devem arrancar no 2º semestre do ano, depois de ter sido emitida a licença para as alterações do projeto, explica o CEO da empresa que detém a obra ao Porto Canal.