Covid-19: Itália soma 36.176 casos ems 24 horas e prepara Natal "contido"

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Roma, 19 nov 2020 (Lusa) -- A Itália registou 36.176 contágios pelo novo coronavírus e 653 óbitos nas últimas 24 horas, números em linha com os dias anteriores, numa altura em que o Governo italiano já avisou que o Natal terá de ser "contido".

Em termos totais, Itália contabiliza, até à data, 1.308.528 casos de pessoas que ficaram infetadas pelo novo coronavírus, de acordo com os dados fornecidos hoje pelas autoridades italianas.

Com a contabilização das novas vítimas mortais, o número total de mortes registadas no país desde o início da crise pandémica, em 21 de fevereiro, sobe para 47.870, segundo o boletim informativo do Ministério da Saúde italiano.

Os casos positivos que estão atualmente ativos em Itália ultrapassam os 760.000, dos quais uma grande maioria são doentes que estão nas respetivas casas com sintomas ligeiros da doença ou estão assintomáticos.

No entanto, os hospitais italianos continuam sob pressão, uma vez que existem mais de 33.600 pessoas internadas, incluindo 3.712 em unidades de cuidados intensivos.

A Lombardia (norte), o epicentro da pandemia no território italiano desde o início da crise sanitária, continua a liderar a lista das regiões mais afetadas, com o registo de 7.453 novos casos nas últimas 24 horas.

A cerca de um mês do Natal, o primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, avisou hoje que o país terá de celebrar a época natalícia de maneira "contida" e com distanciamento social, porque uma intensa atividade social poderá representar, já em janeiro, um aumento da curva de contágios.

"Temos que nos preparar para passar as férias [de Natal] de uma forma mais contida: bailes, celebrações, beijos e abraços não serão possíveis", disse Conte.

O coordenador do comité técnico-científico que aconselha o Governo italiano, Agostino Miozzo, frisou igualmente que "um jantar de Natal com 20 pessoas este ano não será possível".

Também foi hoje divulgado que 201 médicos morreram, até à data, em Itália por causa do novo coronavírus.

Destes óbitos, 22 foram registados durante a atual segunda vaga da crise pandémica, desde 01 de outubro, de acordo com dados oficiais.

Para tentar travar a progressão dos contágios, o Governo italiano decretou até 03 de dezembro um recolher noturno nacional obrigatório e encerrou várias atividades, como cinemas, teatros, museus, piscinas, ginásios e salas de espetáculos.

Os bares e os restaurantes também estão a fechar mais cedo.

Também dividiu as regiões italianas em três zonas - amarela, laranja e vermelha -- que são definidas com base no nível de risco da pandemia. Em função da cor, são definidas mais medidas restritivas a aplicar.

A pandemia da doença covid-19 já provocou pelo menos 1.350.275 mortos resultantes de mais de 56,2 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus (SARS-Cov-2) detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

SCA // ANP

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

França rejeita a construção de gasoduto que liga Península Ibérica ao resto da Europa

França está contra as intenções mostradas pela Alemanha, Espanha, Portugal e a Comissão Europeia sobre a construção de um novo gasoduto com a Península Ibérica e mantém as suas fortes reticências à ideia de reavivar o projeto MidCat pelos Pireneus catalães, que se abandonou em 2019.

Depois da vaga de calor, chuvas torrenciais inundam ruas de Paris 

Após semanas de calor, a chuva caiu com grande intensidade em Paris durante 90 minutos. De acordo com os serviços meteorológicos, em hora e meia registou-se "70% da precipitação habitual para um mês". Várias ruas, avenidas e estações de metro ficaram inundadas e a circulação rodoviária foi interrompida em vários pontos da capital gaulesa. 

Guterres aponta estabilização de preços de alimentos e pede desmilitarização de Zaporijia

O secretário-geral das Nações Unidas (ONU), António Guterres, identificou esta quinta-feira sinais de estabilização dos mercados globais de alimentos e pediu, após uma reunião com os presidentes ucraniano e turco, a desmilitarização da central nuclear de Zaporijia, sob ocupação russa.