Covid-19: Diploma do PR permite confinamento compulsivo e encerramento de estabelecimentos

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 19 nov 2020 (Lusa) - O projeto de decreto presidencial que renova o estado de emergência volta a permitir o confinamento compulsivo de pessoas infetadas ou em vigilância ativa, assim como o encerramento total ou parcial de estabelecimentos, serviços e empresas.

De acordo com o diploma que seguiu para votação na Assembleia da República, fica parcialmente suspenso o exercício dos direitos à liberdade e de deslocação, permitindo-se, "na medida do estritamente necessário e de forma proporcional, o confinamento compulsivo em estabelecimento de saúde, no domicílio ou, não sendo aí possível, noutro local definido pelas autoridades competentes, de pessoas portadoras do vírus SARS-CoV-2, ou em vigilância ativa".

O projeto de decreto do Presidente da República limita também o exercício da iniciativa privada, social e cooperativa, estabelecendo que "pode ser determinado pelas autoridades públicas competentes o encerramento total ou parcial de estabelecimentos, serviços, empresas ou meios de produção e impostas alterações ao respetivo regime ou horário de funcionamento".

Nem o confinamento compulsivo nem o encerramento de estabelecimentos estão previstos no decreto do estado de emergência atualmente em vigor, que se aplica à quinzena entre 09 e 23 de novembro, mas estavam contemplados nos anteriores decretos, de 18 de março, 02 de abril e 17 de abril.

Se a renovação deste quadro legal agora proposta pelo Presidente da República for aprovada pelo parlamento, o estado de emergência vigorará de 24 de novembro até 08 de dezembro.

IEL // JPS

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Compra de carros de luxo pela TAP. Marcelo fala em falta de "bom senso"

O Presidente da República apontou hoje à companhia aérea portuguesa TAP “um problema de bom-senso”, na sequência de notícias sobre a compra de carros de luxos para administradores e diretores, defendendo contenção em tempos difíceis.

Situação do Ministro da Saúde "não é um caso", afirma António Costa

O primeiro-ministro recusou esta quarta-feira que a situação do ministro da Saúde ser sócio-gerente de uma empresa seja "um caso" e que Manuel Pizarro esteja fragilizado, considerando que quem começar a exercer cargos públicos precisa "de fazer o seu ajustamento".

Santos Silva vai abrir parlamento nas celebrações da implantação da República

O presidente da Assembleia da República, Augusto Santos Silva, anunciou esta terça-feira que o parlamento vai passar a abrir as suas portas aos cidadãos nos feriados de 5 de outubro para as comemorações da revolução republicana de 1910.