Infarmed admite que primeiras vacinações contra a Covid-19 podem acontecer no princípio de 2021

Infarmed admite que primeiras vacinações contra a Covid-19 podem acontecer no princípio de 2021
| País
Porto Canal com Lusa

O presidente da Autoridade Nacional do Medicamento (Infarmed) admitiu hoje que as primeiras vacinações contra a covid-19 aconteçam no início do próximo ano, dependendo das autorizações da agência europeia que tutela o setor.

Intervindo num reunião entre especialistas e políticos em Lisboa, na sede do Infarmed, Rui Ivo afirmou que as entregas de vacinas acontecerão em tranches ao longo de 2021 e que poderão estar disponíveis mais de cinco milhões de doses no primeiro trimestre, cerca de oito milhões no segundo trimestre e mais dois milhões no último trimestre do ano que vem.

Rui Ivo indicou que há contratos firmados para quatro vacinas, três das quais (BioNTech/Pfizer, AstraZeneca/Oxford e J&J/Janssen) estão num fase mais avançada de desenvolvimento e para uma outra vacina da marca Sanofi.

Todas estão sujeitas a avaliação e autorização da Agência Europeia do Medicamento, salientou, um processo que ainda poderá ter desenvolvimentos este ano.

+ notícias: País

Confusão na PSP sobre uso de armas obriga diretor nacional a esclarecer regras

Está a circular nas redes sociais um email supostamente da Divisão de Investigação Criminal do Comando Metropolitano de Lisboa que proíbe os agentes da Polícia de Segurança Pública (PSP) de utilizarem armas de fogo ou retirá-las do coldre em situações de desordem pública. A notícia avançada pelo 'Observador' refere que ainda no mesmo email, os agentes à civil também não podem intervir em episódios semelhantes. 

TAP diz que renovação da frota automóvel permite poupar anualmente 630 mil euros

A TAP defende que a renovação da frota automóvel para a administração e gestores permite uma poupança de 630 mil euros anualmente, justificando que a decisão foi assente neste racional ao mesmo tempo que cumpre os contratos.

5 de Outubro. Marcelo Rebelo de Sousa defende que "democracia é uma missão coletiva"

O Presidente da República defendeu esta quarta-feira que fazer avançar a democracia é uma missão coletiva e que nela "existe caminho para todos", recuando ao Portugal de há cem anos para alertar para o perigo das ditaduras.