Covid-19: Transmissibilidade a descer, mas é preciso reduzir incidência

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 19 nov 2020 (Lusa) -- A taxa de transmissibilidade do novo coronavírus está a descer mas sem reduzir o número de novos casos por dia, estes poderão manter-se nos milhares durante meses, afirmaram especialistas ouvidos numa reunião com políticos no Infarmed.

O investigador Manuel do Carmo Gomes, da Faculdade de Ciências de Lisboa, afirmou que há "uma tendência a nível nacional" de descida do índice R, que determina quantas outras uma pessoa infetada pode contagiar.

Atualmente, o R estará em 1,11 e nos modelos de evolução apresentados no Infarmed, deverá estar em 1 no fim de novembro e princípio de dezembro, referiu Carmo Gomes, considerando que não se pode "baixar a guarda, porque à primeira oportunidade, o R volta a subir".

Defendeu que é preciso "descer o R significativamente para um nível gerível em termos de entradas hospitalares", porque se projeta que na transição de novembro para dezembro o número médio de novos casos por dia atinja os 7.000.

A questão, apontou, é que mesmo que se consiga uma redução do R para 1, a incidência de novos casos por dia pode manter-se em vários milhares, entrando-se "num planalto do qual não é fácil sair" e que se continuará a refletir em mais casos internados e mais mortes.

Por isso, de acordo com os modelos que apresentou, é preciso "manter o R abaixo de 1 continuamente".

Se se mantiver, poderá haver uma média superior a 3.000 novos casos por dia até meados de janeiro, referiu.

De acordo com Baltazar Nunes, do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, o R nacional está "a crescer há 88 dias", verificando-se uma média diária de 6.488 novos casos (calculada com os números efetivos a sete dias), que é "seis vezes superior" ao que se verificou na primeira onda de março/abril.

Esta incidência tem tido "uma tendência positiva nas últimas semanas", indicou, referindo que o tempo que demora a duplicar o número de novos casos diários tem vindo a aumentar.

"Continuam a crescer [os novos casos por dia] mas com um crescimento menos acentuado desde o meio de outubro", declarou.

De acordo com os modelos trazidos à reunião por Baltazar Nunes, "só com uma redução dos contactos na comunidade superior a 60 por cento e uma elevada cobertura do uso de máscara é possível trazer o R para baixo de 1" e mantê-lo aí "por várias semanas".

Para calcular o fator R, entram em consideração a duração do período que uma pessoa infetada está entre a população, o número de contactos que mantem, a probabilidade de transmissão após o contacto e a suscetibilidade à infeção.

Baltazar Nunes salientou que os países europeus que conseguiram baixar o índice de transmissibilidade são os que aplicaram "medidas mais restritivas e apresentam níveis de mobilidade mais baixos".

Portugal está com "níveis de mobilidade mais elevados que estes países", notou.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, o primeiro-ministro, António Costa, o presidente do parlamento, Ferro Rodrigues, e dirigentes dos partidos com assento parlamentar assistem à reunião no Infarmed.

APN // SB

Lusa/Fim

+ notícias: País

Sabe porque é que é feriado no dia 1 de dezembro?

O feriado de 1 de dezembro foi suspenso em 2012 e na época criou uma forte indignação. O objetivo da suspensão, aprovada sob o governo de Passos Coelho em 2012, foi "acompanhar, por esta via, os esforços de Portugal e dos portugueses para superar a crise económica e financeira que o país atravessa". Mas ele voltou. Em 2016, o primeiro de dezembro volta a ser feriado em Portugal, dando as boas-vindas ao último mês do ano com uma folga para a maioria dos portugueses.

Teresa Bonvalot 'surfou' para os quartos de final do Haleiwa Challenger no Havai

A surfista portuguesa Teresa Bonvalot garantiu esta quinta-feira um lugar nos quartos de final da última prova das 'Challenger Series' da Liga Mundial de Surf (WSL), que decorre em Haleiwa, no Havai, enquanto Mafalda Lopes foi eliminada.

Supremo Tribunal de Justiça aceita recurso da defesa das famílias das vítimas na praia do Meco

O Supremo Tribunal de Justiça (STJ) aceitou o recurso de revista excecional da defesa das famílias das vítimas que morreram na praia do Meco, em 2013, após a Relação de Évora ter considerado em julho o recurso improcedente.