Portugal com 4656 infetados e 40 mortes nas últimas 24 horas por Covid-19. Número de mortes mais elevado desde inicio da pandemia

Portugal com 4656 infetados e 40 mortes nas últimas 24 horas por Covid-19. Número de mortes mais elevado desde inicio da pandemia
| País
Porto Canal com Lusa

Portugal ultrapassou hoje todos os recordes desde o início da pandemia covid-19 com o registo de 40 mortos, 4.656 infetados e 1.927 doentes internados, 275 dos quais em cuidados intensivos, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS).

De acordo com o boletim epidemiológico da DGS hoje divulgado, Portugal, que regista hoje o número mais elevado de novos casos desde março, início da pandemia, contabiliza 137.272 casos confirmados de infeção pelo novo coronavírus e 2.468 óbitos.

Em relação aos internamentos, o número de pessoas hospitalizadas continua a subir desde há mais de uma semana, sendo agora de 1.927 pessoas, mais 93 do que na quinta-feira, das quais 275 (mais seis) estão em Unidades de Cuidados Intensivos.

Das 40 mortes registadas, 19 ocorreram na região Norte, 13 em Lisboa e Vale do Tejo, três na região Centro, três no Alentejo e dois no Algarve.

+ notícias: País

Super Bock alvo de ataque informático. Empresa confirma restrições no abastecimento

O Super Bock Group foi, esta segunda-feira, alvo de um ataque informático. Segundo a empresa o incidente "está a causar perturbações nos seus serviços informáticos, com constrangimentos na operação regular, nomeadamente no nível de serviço". 

Bastonária da Ordem dos Enfermeiros acusada de peculato e falsificação de documentos

Ana Rita Cavaco, bastonária da Ordem dos Enfermeiros, foi acusada pelo Ministério Público de alegados crimes de peculato e falsificação de documentos. Em causa está um processo crime que investiga o pagamento indevido de deslocações. 

"Seguramente o Governo pôs-se a jeito, cometeu erros", admite António Costa 

António Costa admitiu esta segunda-feira, em entrevista à RTP 1, no dia em que se assinala um ano desde a conquista da maioria absoluta pelo PS, que o Governo cometeu erros neste primeiro ano de mandato, colocando-se "a jeito", referindo-se aos muitos casos a interferir no trabalho do seu executivo.