Info

Sete mil pessoas assinaram já petição pela despenalização da Eutanásia

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 29 fev (Lusa) -- Sete mil pessoas assinaram já a petição pública pela despenalização da morte assistida apresentada há cerca de uma semana pelo movimento cívico "Direito a morrer com dignidade".

A petição, dirigida à Assembleia da República, está disponível online e o texto que a acompanha é o mesmo do manifesto assinado por mais de 100 personalidades da sociedade portuguesa que defendem a despenalização da eutanásia.

No texto, o movimento assume-se como um conjunto de cidadãos, "unidos na valorização privilegiada do direito à liberdade".

"Defendemos, por isso, a despenalização e regulamentação da morte assistida como uma expressão concreta dos direitos individuais à autonomia, à liberdade religiosa e à liberdade de convicção e consciência, direitos inscritos na Constituição", lê-se no texto da petição.

Apontam que a morte assistida consiste em antecipar ou abreviar a morte de doentes em grande sofrimento e sem esperança de cura, desde que seja em resposta a um pedido do próprio, feito de forma informada, consciente e reiterada.

Menos de 48 horas depois de ser lançada, a petição online já tinha ultrapassado as 4.000 assinaturas, fazendo com que se torne inevitável a sua discussão em plenário no parlamento.

Uma semana depois de ter sido lançada online (no dia 21 de fevereiro), a petição atingiu hoje de manhã as sete mil assinaturas.

ARP // SO

Lusa/fim

+ notícias: País

Quatro distritos do continente sob aviso amarelo devido à chuva

Quatro distritos de Portugal continental estão esta terça-feira sob aviso amarelo devido à previsão de aguaceiros, por vezes fortes, e possibilidade de trovoada, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Mais de 500 toneladas de medicamentos apreendidas em megaoperação em 116 países

Mais de 500 toneladas de medicamentos foram apreendidas numa megaoperação envolvendo autoridades policiais, alfandegárias e de saúde de 116 países, incluindo Portugal, e que resultaram em 859 detenções, revelou esta terça-feira a Interpol.

Guardas prisionais iniciam greve de três dias e exigem cumprimento de promessa do Governo

Os guardas prisionais iniciaram às 00h00 desta terça-feira uma greve de três dias e juntam-se na sexta-feira à paralisação da função pública, reivindicando questões ligadas à carreira e o cumprimento da promessa da tutela sobre revisão do estatuto profissional.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS