PCP vota a favor da eliminação faseada dos cortes salariais na função pública

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 18 dez (Lusa) - O grupo parlamentar do PCP vai votar a favor da devolução faseada dos salários da função pública proposta pelo PS, anunciou a própria bancada comunista, que verá a sua iniciativa sobre a matéria chumbada pela maioria do parlamento.

Da fatia de 80 por cento do valor dos cortes salariais ainda a repor aos trabalhadores da administração pública, o PS entende que o ritmo de devolução deverá ser dividido em quatro fases ao longo de 2016, no início de cada trimestre (20%), até à sua extinção em outubro.

A iniciativa socialista já tinha merecido o apoio de BE, PEV e PAN, enquanto PSD e CDS-PP vão votar contra o fim dos cortes de salários na administração pública, a este ritmo.

O diploma do PCP prevê a extinção integral dos cortes salariais assim que o Orçamento do Estado de 2016 (OE) do próximo ano seja publicado em diário da República, ou seja, a sua entrada em vigor. Para o período de transição, entre 01 de janeiro próximo e a entrada em vigor do novo OE, a proposta comunista prevê a manutenção dos cortes.

Já com o novo OE, segundo a proposta do PCP, o Governo ficararia autorizado "no prazo de 30 dias" a aprovar "as condições de pagamento dos retroativos remuneratórios relativos à diferença entre o montante de 2015 e o valor da respetiva remuneração integral".

HPG/PMF // SMA

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Governo investe mais de 250 milhões de euros no combate e prevenção de incêndios em 2023

O ministro da Administração Interna, José Luís Carneiro, reafirmou esta segunda-feira em Arganil que o Governo vai investir 250 milhões de euros (ME) na prevenção e combate aos incêndios, em 2023, incluindo o apoio aos corpos de bombeiros.

Quotas de género. Ministra da Ciência foi contra, mas agora admite para chefias do setor

A ministra da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Elvira Fortunato, mostrou-se, esta segunda-feira, favorável à introdução de quotas de género para que Portugal atinja a paridade nos cargos de chefia das instituições do setor.

Carlos Guimarães Pinto: “A gestão da TAP está em guerra aberta com os seus colaboradores já há vários meses”

Segundo documentos a que o Porto Canal teve acesso, o mês de dezembro é tradicionalmente um mês muito complicado para a operação da TAP. Em 2019, último ano antes da pandemia por covid-19, que provocou uma paralisação generalização do setor da aviação, o absentismo no período natalício rondou os 17,6% entre comissários e assistentes de bordo.