Operação Marquês: Serviços Prisionais não receberam pedido de prisão domiciliária de Vara

Operação Marquês: Serviços Prisionais não receberam pedido de prisão domiciliária de Vara
| País
Porto Canal (MPM)

O pedido de transferência Armando Vara para prisão domiciliária ainda não chegou aos Serviços Prisionais. Deverá acontecer esta semana, após a análise do juiz ao relatório dos serviços.

O Tribunal Central de Instrução Criminal ainda não enviou o pedido para que Armando Vara, que se encontra detido, possa cumprir a ordem de prisão domiciliária. Fonte da Direcção-Geral de Reinserção e Serviços Sociais (DGRSP), garantiu à agência Lusa que até à manhã desta segunda-feira, não tinha recebido o expediente do Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC). Até ao final do dia será entregue um relatório dos serviços prisionais ao juiz, que após a sua análise, poderá dar a ordem para que Armando Vara seja colocado em prisão domiciliária, com vigilância electrónica.

Armando Vara, foi detido esta quinta-feira, indiciado pelos crimes de fraude fiscal, branqueamento de capitais e corrupção passiva. O ex-administrador da Caixa Geral de Depósitos e antigo ministro socialista, encontra-se agora no Estabelecimento Prisional Anexo à Polícia Judiciária, em Lisboa, enquanto aguarda autorização para regressar a casa, para cumprir a ordem de prisão domiciliária, decretada pelo juiz Carlos Alexandre na sexta-feira.

Tiago Bastos, advogado de Armando Vara discordou da medida de coacção aplicada pelo juiz, que considerou que existia perigo de perturbação do inquérito e também perigo de fuga, embora reduzido. O advogado do arguido alegou que Armando Vara tem, desde 2009, um contencioso com a justiça (processo Face Oculta) e nunca faltou a nenhum acto processual, "nem deixou de cumprir todas as suas obrigações".

A detenção foi realizada no âmbito da Operação Marquês, e tem em José Sócrates, antigo primeiro-ministro português, o mais mediático entre os nove arguidos do processo. Sócrates é, aliás, o único que se encontra em prisão preventiva, suspeito de fraude fiscal qualificada, corrupção e branqueamento de capitais.

+ notícias: País

“Viajar sem pressa”. Mais de 16 mil condutores em excesso de velocidade durante campanha de segurança

Mais de 16 mil condutores foram apanhados por radares em excesso de velocidade durante a campanha de segurança rodoviária “Viajar sem pressa”, que decorreu entre 31 de janeiro e 06 de fevereiro, revelou esta terça-feira a GNR.

Burla informática aumentou 20% em 2022. Fraude “Olá pai, olá mãe” em destaque

A PSP recebeu mais de 36 mil queixas de burla informática e nas comunicações nos últimos quatro anos, tendo este tipo de crime aumentado 20% em 2022, ano em que se destacou a fraude “Olá pai, olá mãe”.

Sismo. Portugal envia “nas próximas horas” equipa de 53 operacionais para ajudar nas operações de busca e salvamento

O ministro da Administração Interna, José Luís Carneiro, afirmou esta terça-feira que Portugal vai enviar, "nas próximas horas", uma equipa composta por 53 operacionais para ajudar nas operações de busca e salvamento, após o sismo que abalou a Turquia e a Síria.