Motoristas e autocarros da rede Unir alvo de fiscalização do IMT

Motoristas e autocarros da rede Unir alvo de fiscalização do IMT
Foto: Ana Torres | Porto Canal
| Norte
Porto Canal / Agências

O Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT) está a fiscalizar, juntamente com forças policiais, os veículos e o os motoristas da nova rede de autocarros Unir, da Área Metropolitana do Porto (AMP), respondeu a entidade à Lusa.

"O Instituto da Mobilidade e dos Transportes, prosseguindo as competências de fiscalização que lhe são conferidas, tem vindo a realizar, em conjunto com as forças policiais, ações de fiscalização ao transporte coletivo de passageiros na área de atuação da rede Unir", pode ler-se numa resposta de fonte oficial do IMT a questões da Lusa.

 
 
 
Ver esta publicação no Instagram
 
 
 

Uma publicação partilhada por Porto Canal (@porto.canal)

De acordo com a mesma resposta do IMT, "esta operação tem como principal foco a verificação do cumprimento da legislação em vigor, nomeadamente no que toca às condições dos veículos e cumprimento dos requisitos legais dos motoristas".

"As ações tiveram início na passada semana, vão manter-se nos próximos dias e repetir-se-ão sempre que necessário e enquadradas no plano de fiscalização deste instituto", acrescenta o IMT.

Questionada sobre quais as empresas a ser fiscalizadas, fonte oficial do IMT não revelou, "tendo em conta que a operação está a decorrer".

Na sexta-feira, o presidente da Área Metropolitana do Porto revelou que num lote da nova rede de transportes Unir há 26 autocarros parados com vidros partidos, pneus furados e matrículas trocadas, indicando que o caso está a ser investigado pela polícia.

À margem, em declarações aos jornalistas, o presidente da AMP reconheceu que os atos de vandalismo de que têm sido alvo os autocarros da Unir são “estranhos” e parecem “boicote”.

“Nunca houve tantos pneus furados, tantos vidros partidos e matrículas trocadas como agora, eu não sei quem é, mas o assunto está entregue à polícia. Nunca o meu telemóvel esteve afixado nas paragens do autocarro para telefonar como fonte de informação da rede Unir e agora está. Que há azar há, boicote parece-me também, creio que as autoridades policiais vão aferir, mas que é estranho é”, disse.

A operação da Unir - que prevê 439 linhas e começou a 1 de dezembro - tem sido marcada por muitos protestos dos passageiros. Atrasos, carreiras por cumprir e falta de informação estão entre as principais queixas.

A Unir começou a operar a 1 de dezembro em todo o território da região, após anos de litigância nos tribunais com os anteriores operadores.

Em 5 de dezembro, a nova rede adiantava, numa nota publicada no seu 'site', que estava a "reformular e adequar" os horários dos lotes Norte Nascente, Sul Nascente e Sul Poente.

Dois dias depois, o presidente da AMP admitiu à Lusa que o arranque "em pleno" da Unir possa acontecer apenas no início do próximo ano.

Esta segunda-feira, face a críticas do PCP de Oliveira de Azeméis aos "abundantes episódios de incumprimento na rede" Unir, a AMP reconheceu os“constrangimentos no serviço”, mas diz-se “a trabalhar para corrigir todas as situações e garantir um serviço eficiente e de qualidade para todos os utilizadores, implementando medidas que incluem ajustes operacionais, reforço da frota e horários”.

A nova rede de 439 linhas e nova imagem substitui os serviços efetuados pelos cerca de 30 operadores privados rodoviários na AMP, como por exemplo a Caima, Feirense, Transdev, UT Carvalhos, Gondomarense, Pacense, Arriva, Maré, Landim, Valpi, Litoral Norte, Souto, MGC, Seluve, Espírito Santo, entre outros.

+ notícias: Norte

Câmara de Gondomar aprova contas de 2023 com saldo positivo

A Câmara de Gondomar aprovou esta sexta-feira, com os votos contra da oposição, o relatório e contas de 2023, que apresenta um saldo positivo de 610 mil euros, situação que o presidente atribuiu aos conflitos na Ucrânia e em Gaza.

Terminaram buscas por jovem desaparecido em Gaia

As buscas permanentes pelo jovem de 16 anos desaparecido há uma semana no mar em Vila Nova de Gaia terminaram esta sexta-feira, sem sucesso, ao pôr-do-sol, revelou à Lusa o comandante da Capitania do Douro, Rui Lampreia.

Idoso carbonizado encontrado em Santa Maria da Feira

Um idoso foi encontrado morto já carbonizado em São João de Ver, no concelho de Santa Maria da Feira, avança o Correio da Manhã, citando fonte da GNR.