"Somos unidos". Trabalhadores do JN protestam em frente ao Conselho de Ministros

"Somos unidos". Trabalhadores do JN protestam em frente ao Conselho de Ministros
Foto: Ana Torres | Porto Canal
| Porto
Porto Canal

Um grupo de cerca de 50 trabalhadores do Jornal de Notícias (JN) está a manifestar-se, esta tarde, em frente à Câmara Municipal de Porto, onde decorre a reunião do Conselho de Ministros.

Nem mesmo a chuva que marcou todo o dia desta quinta-feira desmobilizou os jornalistas do JN, em greve pelo segundo dia consecutivo.

Simbolicamente, os trabalhadores do baluarte das notícias da região do Norte fizeram o curto percurso que ligava a sua redação ao coração da cidade - a Câmara Municipal -, caminho esse que se tornou maior com a sua expulsão da icónica “Torre do Jornal de Notícias”.

Desde o edifício na rua Gonçalo Cristóvão, passando pela Trindade e até chegar à Avenida dos Aliados ouviram-se frases de ordem como “Notícia de Última Hora: JN não vai embora”.

Ao Porto Canal, Rita Salcedas reforça a importância do JN, enquanto órgão de comunicação social não sediado na capital: “Nós todos os dias fazemos milagres ao produzir o que produzimos, tanto nas bancas como no site, porque somos uma redação que tem a sua sede fora do centro de poder e decisões o que por si só traz obstáculos ao trabalho diário.

“O que aqui está a acontecer hoje é muito importante porque mostra que apesar de todos os desafios que nos são impostos todos os dias, estamos juntos e somos unidos”, acrescenta a jornalista.

Em comunicado interno, na quarta-feira, o Global Media Group (GMG) anunciou que vai negociar “com caráter de urgência” rescisões com 150 a 200 trabalhadores e avançar com uma reestruturação para evitar “a mais do que previsível falência do grupo”.

A greve, que engloba os trabalhadores das várias publicações do Global Media Group - que inclui o JN, TSF e O Jogo -, vai terminar às 23h59 desta quinta-feira, dia 7 de dezembro.

+ notícias: Porto

O antigo quarteirão da Casa Forte mudou com o Porto

O antigo quarteirão da Casa Forte, no coração do Porto, ganhou o nome da loja da esquina voltada ao Mercado do Bolhão. A emblemática empresa da cidade viria a encerrar em 2004, paradoxalmente o ano da criação da Porto Vivo, Sociedade de Reabilitação Urbana, que lançou as bases da nova vida do quarteirão. Entre projetos, demolições e mudança de promotores imobiliários, só ao fim de quase 20 anos é que o espaço da cidade vai voltar a receber moradores. Numa viagem pela história, que resposta dá à cidade o novo Quarteirão da extinta Casa Forte?

“A ‘cidade-negócio’ vai-se descaracterizando completamente perdendo interesse até para turistas”

A histórica Mercearia do Bolhão, aberta no Porto desde 1880, vai encerrar portas a 30 de abril para dar lugar a uma loja da multinacional Ale-Hop, como avançou o Porto Canal na manhã desta sexta-feira. À esquerda, os vereadores da oposição da Câmara do Porto lamentam que a cidade se vá ‘descaracterizando’.

Neonia: o novo museu interativo e néon que ilumina a história do Porto

Sabia que em 1917, dois acrobatas subiram à Torre dos Clérigos sem qualquer equipamento de proteção para promover uma marca de bolachas? Apesar de já ter passado mais de um século, este é um entre os tantos acontecimentos lembrados no novo museu que abriu portas este sábado no coração do Porto. “O Neonia é uma pura homenagem à cidade”, sublinha um dos responsáveis.