CDU/Porto refere que adiamento do fecho do Stop é vitória dos músicos e comerciantes

CDU/Porto refere que adiamento do fecho do Stop é vitória dos músicos e comerciantes
| Porto
Porto Canal/Agências

A CDU/Porto considerou que o adiamento do fecho do centro comercial Stop, que estava previsto para esta sexta-feira, é uma vitória dos músicos, artistas e comerciantes e que reflete “as contradições e dificuldades da maioria” da câmara municipal.

“O adiamento da ação de despejo dos músicos do Stop pela Câmara Municipal do Porto é uma vitória da luta dos músicos, artistas e comerciantes do centro comercial Stop. Uma prorrogação que reflete as dificuldades e contradições da maioria da câmara municipal de Rui Moreira [presidente] na implementação de uma ação injusta e que não resolve nenhum problema”, adiantou a CDU, em comunicado.

O centro comercial Stop, no Porto, vai continuar a funcionar por tempo indeterminado na sequência de uma providência cautelar interposta pelos proprietários à decisão da câmara de encerrar o edifício, confirmou hoje a autarquia.

Para os comunistas, com o adiamento do encerramento do centro comercial “fica claro o desconforto” do executivo liderado pelo independente Rui Moreira com a implementação de uma “ação de força e mais claro ainda a falta de soluções para este drama que afeta centenas de pessoas”.

Em resposta à agência Lusa, a Câmara do Porto confirmou, na sequência da notícia divulgada pelo jornal Público, que o espaço vai continuar a funcionar e que foi interposta uma providência cautelar à decisão tomada pela autarquia de cessação do equipamento.

Na opinião da CDU, a autarquia viu-se “obrigada a recuar na sua posição” perante a união dos músicos, artistas, comerciantes e população.

“Por outro lado, fica também ostensivamente claro o desinteresse e a desresponsabilização do Governo do PS que, na Assembleia Municipal do Porto, reclama mais meios para a cultura na autarquia, mas que na Assembleia da República chumba o pedido do PCP para a auscultação ao ministro da Cultura sobre o Stop, numa atitude de inaceitável desvalorização da cultura e dos seus agentes”, reforçou.

A CDU garantiu que continuará a lutar pelo centro comercial Stop e a reclamar junto da câmara uma solução para aquele espaço.

E acrescentou: “Da mesma forma, não desistiremos de insistir que o Governo assuma as suas responsabilidades, designadamente pelo Ministério da Cultura”. Os músicos e artistas do Stop manifestam-se hoje em frente à Câmara Municipal do Porto em defesa daquele "polo cultural" da cidade.

A 8 de setembro, os proprietários e arrendatários do centro comercial Stop foram notificados pelos serviços da Câmara Municipal do Porto de que tinham até 10 dias úteis para desocupar o edifício, prazo que terminaria hoje.

Na quinta-feira, o presidente da Câmara do Porto anunciou que a autarquia não conseguiu notificar a administração do condomínio do centro comercial Stop da intenção de fechar o espaço, pelo que o encerramento seria adiado por 10 dias úteis.

O Stop, que funciona há mais de 20 anos como espaço cultural, com salas de ensaio e estúdios, viu a maioria das suas frações serem seladas em 18 de julho, deixando quase 500 artistas e lojistas sem terem para onde ir, mas reabriu a 4 de agosto, com um carro de bombeiros à porta.

+ notícias: Porto

Um ano depois do novo regulamento, Movida continua a não dar descanso aos moradores da Baixa do Porto

“Eles ficam com o dinheiro, e nós ficamos com o barulho”. O desabafo de Paula Amorim perdura há mais de 15 anos, altura em que a vida noturna começou a crescer na Baixa do Porto. A moradora, juntamente com outra, Sara Gonçalves, tem sido o rosto de uma luta que parece não ter fim, nem com um novo regulamento lançado há um ano: “Não desisto porque tenho direito ao descanso”. Câmara admite rever regras.

Porto vai ter mais ruas com acesso condicionado a automóveis

O executivo municipal aprovou por maioria, na reunião desta segunda-feira, a aquisição de serviços para a manutenção do sistema de gestão das Zonas de Acesso Automóvel Condicionado (ZAAC) existentes. Mas vão ser criadas novas zonas.

Metrobus. Acesso da Avenida da Boavista à Rua António José da Costa vai estar interdito

Com a construção da primeira fase do traçado do metrobus, o acesso da Avenida da Boavista à Rua António José da Costa estará interdito a partir de terça-feira e até 12 de abril. Desta forma, os automobilistas que tencionem dirigir-se a esta artéria terão de seguir pelas ruas António Cardoso e António Patrício.