Metro do Porto recebe cinco candidaturas para concurso público no âmbito do ‘metrobus’

Metro do Porto recebe cinco candidaturas para concurso público no âmbito do ‘metrobus’
| Porto
Porto Canal/Agências

A Metro do Porto recebeu cinco candidaturas no âmbito do concurso público para adquirir 12 autocarros a hidrogénio no âmbito do 'metrobus', bem como das estações de produção, armazenamento e abastecimento, disse a fonte oficial da empresa, esta terça-feira à Lusa.

A mesma fonte adiantou que o júri do concurso público começa a partir desta terça-feira a trabalhar na avaliação das propostas apresentadas, sendo os critérios de adjudicação o preço (ponderação de 45%), a capacidade diária de produção de H2 [hidrogénio] da estação (35%) e as características e performance do veículo BRT (20%).

Em causa está a encomenda de 12 autocarros a hidrogénio verde para o 'metrobus', serviço da Metro do Porto que ligará a Casa da Música à Praça do Império (em 12 minutos) e à Anémona (em 17) em junho de 2024, circulando em via dedicada na Avenida da Boavista e em convivência com os automóveis na Avenida Marechal Gomes da Costa.

No dia 19 de dezembro, foi publicado em Diário da República (DR) o lançamento de um concurso público internacional de 23,5 milhões de euros para adquirir o material circulante e infraestruturas de abastecimento.

O procedimento engloba, segundo documentos consultados pela Lusa, o "projeto, fornecimento e colocação em serviço" da "estação de produção, armazenamento e abastecimento de hidrogénio verde para abastecimento dos veículos BRT [...] e venda a terceiros", na estação de recolha da Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP) da Areosa.

Também se incluem no concurso as "instalações de produção fotovoltaica de energia elétrica de fonte renovável para o processo de produção de hidrogénio verde", nas recolhas da STCP da Areosa, Francos e Via Norte.

O objetivo é produzir, através dos painéis fotovoltaicos localizados nas três estações de recolha, a média diária mínima de 350 quilogramas (kg) de hidrogénio necessária para abastecer, na Areosa, os veículos BRT.

Quanto aos veículos, devem ter "uma vida comercial útil mínima de 16 anos" e terão propulsão híbrida, "isto é, com motorização elétrica e alimentação a hidrogénio gasoso", com autonomia mínima de 350 quilómetros (km) a hidrogénio e 50 km em modo elétrico.

"Estima-se que em hora de ponta seja necessário o uso recorrente de 10 veículos em operação, sem prejuízo de poder ser usada a totalidade da frota", sendo os veículos obrigados a ter uma lotação igual ou maior a 130 passageiros, dos quais 35 sentados.

A estética do autocarro "deve resultar de um equilíbrio entre o sucesso dos veículos antecessores" da Metro do Porto e "apresentar uma evolução positiva", sendo "fundamental" que "reflitam e continuem" a direção tomada com o novo metro da CRRC Tangshan, traduz "o carisma moderno que se pretende".

+ notícias: Porto

O antigo quarteirão da Casa Forte mudou com o Porto

O antigo quarteirão da Casa Forte, no coração do Porto, ganhou o nome da loja da esquina voltada ao Mercado do Bolhão. A emblemática empresa da cidade viria a encerrar em 2004, paradoxalmente o ano da criação da Porto Vivo, Sociedade de Reabilitação Urbana, que lançou as bases da nova vida do quarteirão. Entre projetos, demolições e mudança de promotores imobiliários, só ao fim de quase 20 anos é que o espaço da cidade vai voltar a receber moradores. Numa viagem pela história, que resposta dá à cidade o novo Quarteirão da extinta Casa Forte?

“A ‘cidade-negócio’ vai-se descaracterizando completamente perdendo interesse até para turistas”

A histórica Mercearia do Bolhão, aberta no Porto desde 1880, vai encerrar portas a 30 de abril para dar lugar a uma loja da multinacional Ale-Hop, como avançou o Porto Canal na manhã desta sexta-feira. À esquerda, os vereadores da oposição da Câmara do Porto lamentam que a cidade se vá ‘descaracterizando’.

Mercearia mais antiga do Porto vai fechar para dar lugar a Ale-Hop

A Mercearia do Bolhão, a mais antiga da cidade do Porto, vai fechar a 30 de abril, depois de 144 anos de atividade no coração da baixa portuense. No seu lugar, vai abrir uma loja da cadeia espanhola Ale-Hop, confirmou em exclusivo ao Porto Canal o proprietário do espaço, Alberto Rodrigues.