Ministro da Saúde considera que não se deve vedar cursos de medicina às universidades privadas 

Ministro da Saúde considera que não se deve vedar cursos de medicina às universidades privadas 
| País
Porto Canal / Agências

O ministro da Saúde considerou, esta terça-feira, que “não há nenhuma razão” para que seja vedada às universidades privadas a abertura de cursos de medicina e disse ver com “bons olhos” a abertura de novos cursos no ensino público.

“Não há nenhuma razão para que esteja vedada às universidades privadas a abertura de cursos de medicina. Mas também vejo com muito bons olhos a possibilidade de haver novos cursos públicos, sobretudo em localizações onde a presença desses cursos pode ajudar a atrair profissionais no futuro”, afirmou Manuel Pizarro, na sequência da abertura de um curso privado de medicina na Universidade Fernando Pessoa, no Porto, autorizada pela Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior. 

Segundo o jornal, trata-se de um mestrado integrado de seis anos que “funcionará em ligação com hospital que a instituição tem em Gondomar”.

A decisão, segundo o jornal Público, foi tomada no final da semana passada e ainda não foi oficializada.

Este será o segundo curso de medicina autorizado numa universidade privada, depois do curso da Universidade Católica Portuguesa.

Quanto à necessidade de coordenar as especialidades com as necessidades existentes nos serviços públicos de saúde, o ministro afirmou: “A formação pré-graduada é de natureza generalista, só depois, na pós-graduada, é que faremos um esforço para dotar os serviços da maior capacidade possível de atrair jovens para as profissões da saúde”.

“Colaboraremos no limite das nossas possibilidades”, acrescentou.

Sobre a possibilidade de novos cursos de medicina nas universidades públicas, Pizarro disse que tal “está em estudo em várias regiões do país”, apontando como exemplo Évora, Vila Real e Aveiro e sublinhando: “O ministro da Saúde veria com muito bons olhos se essa perspetiva se concretizasse”.

+ notícias: País

49 pessoas morreram afogadas em Portugal continental até ao final de abril

Quarenta e nove pessoas morreram afogadas em Portugal continental nos quatro primeiros meses do ano, o valor mais alto desde 2017, segundo dados do relatório do Observatório do Afogamento da Federação Portuguesa de Nadadores Salvadores (FEPONS).

Nova atualização nos preços dos combustíveis na próxima semana

Depois de várias semanas consecutivas de descida, o preço dos combustíveis estagnou e não deverá subir, nem descer, a partir da próxima segunda-feira.

Há 111 medicamentos genéricos cuja venda em Portugal terá de ser suspensa

Portugal vai ter de suspender a venda e cancelar autorizações de 111 medicamentos genéricos testados pelo laboratório Synapse Labs, na Índia, após uma recomendação hoje feita nesse sentido pela Comissão Europeia aos Estados-membros da União Europeia (UE).