Pilotos sugerem à TAP mesma lógica da renovação da frota automóvel para repor condições laborais

| Economia
Porto Canal / Agências

O Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil sugeriu hoje à TAP a mesma lógica de "gastar-mais, para poupar", com que a companhia se defendeu sobre a renovação da frota automóvel corporativa, para a reposição das condições laborais dos trabalhadores.

Num comunicado enviado aos associados, a que a Lusa teve acesso, o Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC) cita o provérbio "à mulher de César não lhe basta ser séria, tem que parecer séria" para criticar a opção da TAP.

"Seguindo o racional da justificação por parte de quem optou por adquirir viaturas nesta altura tão sensível, que tem como fundamento uma miraculosa poupança, sugerimos a mesma lógica de "gastar mais, para poupar" para a reposição de dignidade aos trabalhadores", lê-se na mensagem do sindicato.

Em causa está a notícia avançada pela TVI/CNN Portugal e pelo portal Away de que a TAP encomendou uma nova frota de automóveis BMW para a administração e gestores, substituindo os da Peugeot.

Na nota, o SPAC sublinha que "enquanto uns têm cortes brutais nos seus vencimentos, quando ainda há processos de despedimento em curso e quando se condiciona a qualidade de vida a outros, em simultâneo, renova-se o parque automóvel dos cargos de direção", defendendo que "para a existência de paz social, é imperativa a presença de justiça social".

Neste contexto, considera que a "nova atitude" perante "os gastos" terá de abranger os pilotos na reposição das condições laborais.

"Se tal não acontecer ficaremos realmente surpreendidos e seremos obrigados a acreditar na hipótese de que a administração da TAP ou não quer aplicar o excedente financeiro na justa reposição das condições laborais dos trabalhadores, ou não existe excedente financeiro e esta renovação da frota foi paga com os cortes nos salários dos trabalhadores", é acrescentado no comunicado.

A TAP defende que a renovação da frota automóvel para a administração e gestores permite uma poupança de 630 mil euros anuais, justificando que a decisão foi assente neste racional ao mesmo tempo que cumpre os contratos.

"A Comissão Executiva quer esclarecer que a TAP dispõe de uma frota automóvel corporativa para a administração e diretores, em regime de 'renting' operacional. Com a opção que fizemos, estamos a poupar anualmente até 630 mil euros, se tivéssemos mantido os carros que temos hoje", refere a TAP num comunicado interno, a que a Lusa teve acesso.

A TAP justifica que em causa estão 50 viaturas, para o qual foi feito um concurso ao mercado, tendo sido convidadas a participar seis entidades no mercado português.

"A proposta escolhida foi a que apresentou o preço mais baixo, com uma renda mensal de 500 euros. Como referência, as outras propostas apresentadas à TAP com valor mais competitivo contemplavam rendas mensais de 750 euros", explica a Comissão Executiva da empresa, no comunicado.

Também hoje, o Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) disse, num comunicado a que a Lusa teve acesso, que a renovação da frota automóvel da TAP provoca "uma boa dose de vergonha alheia", considerando que se não for sinal de disponibilidade para subir ordenados aos tripulantes é um ato de gestão "vergonhoso".

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, também reagiu hoje às notícias, apontando à companhia aérea portuguesa "um problema de bom senso".

"Já falei em relação a várias entidades públicas no passado e em relação à distribuição de dividendos e em relação aos salários e entendo que quando se está num período de dificuldade deve fazer-se um esforço para dar o exemplo de contenção", defendeu Marcelo Rebelo de Sousa.

No entender do Presidente da República, é compreensível que as empresas façam despesas, mas defendeu que é preciso "ter algum bom senso" quando o país e o mundo atravessam um "período difícil".

+ notícias: Economia

Juro médio dos novos créditos à habitação registam maior subida mensal desde 2003

A taxa de juro média dos novos empréstimos à habitação aumentou para 2,86% em outubro, contra 2,23% em setembro, o valor mais alto desde janeiro de 2015 e a maior subida mensal em 19 anos, divulgou hoje o BdP.

Limite de 60 dólares por barril de petróleo russo. Proposta aprovada pela UE

Os países da União Europeia (UE) concordaram com um limite de preço de 60 dólares por barril para o petróleo russo, no âmbito das sanções para evitar picos de preços de combustíveis e para prejudicar os interesses de Moscovo.

Queda dos preços dos combustíveis levam a redução do desconto no ISP em dezembro

O Ministério das Finanças anunciou esta sexta-feira que em dezembro há uma redução do desconto do ISP em 3,9 cêntimos por litro de gasóleo e em 2,4 cêntimos por litro de gasolina, tendo em conta a queda dos preços.