Compra de carros de luxo pela TAP. Marcelo fala em falta de "bom senso"

Compra de carros de luxo pela TAP. Marcelo fala em falta de "bom senso"
| Política
Porto Canal / Agências

O Presidente da República apontou hoje à companhia aérea portuguesa TAP “um problema de bom-senso”, na sequência de notícias sobre a compra de carros de luxos para administradores e diretores, defendendo contenção em tempos difíceis.

“Já falei em relação a várias entidades públicas no passado e em relação à distribuição de dividendos e em relação aos salários e entendo que quando se está num período de dificuldade deve fazer-se um esforço para dar o exemplo de contenção”, defendeu hoje Marcelo Rebelo de Sousa.

O chefe de Estado reagiu assim ao ser confrontado com notícias que dão conta de que a TAP encomendou dezenas de carros de luxo para administradores executivos e diretores de topo, uma investigação da CNN Portugal, segundo a qual estas viaturas vão substituir a atual frota automóvel da companhia aérea.

No entender do Presidente da República, é compreensível que as empresas façam despesas, mas defendeu que é preciso “ter algum bom senso” quando o país e o mundo atravessam um “período difícil”.

“É um problema de bom senso”, rematou, em declarações aos jornalistas, no Palácio de Belém, em Lisboa.

+ notícias: Política

Marcelo afirma que desconhecia custo do altar-palco e saúda declarações de Américo Aguiar

O Presidente da República afirmou esta quinta-feira que desconhecia o custo do altar-palco a construir em Lisboa para a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) e saudou as declarações do bispo Américo Aguiar sobre esta matéria.

Durão Barroso afirma que os governos devem evitar a arrogância do poder

O antigo primeiro-ministro Durão Barroso disse esta quinta-feira que há um “peso excessivo” do poder central em Portugal e alertou para a importância de os governos evitarem a “arrogância do poder”, sublinhando que a sociedade civil devia ser “mais independente”.

Marcelo Rebelo de Sousa não quer interferir no diálogo entre professores e Governo

Marcelo aponta que não será ele a reunir com os representantes dos nove sindicatos que são recebidos esta quinta-feira em Belém, mas sim consultores da Presidência da República. “Nesta fase devem ser os consultores a ouvir os pontos de vista reivindicativos dos professores, hoje uma parte dos sindicatos. No sábado outro sindicato, para assim poder ter uma ideia geral das convergências, das divergências, daquilo que são os pontos fundamentais que prosseguem e depois ter a reação do ministério”.